Abertas as candidaturas para a plantação de Espécies Florestais Autóctones

Blog, Espécies, Monitorização de Sistemas Ecológicos, Sistemas ecológicosComentários fechados em Abertas as candidaturas para a plantação de Espécies Florestais Autóctones27396

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInBuffer this pagePin on PinterestTweet about this on TwitterEmail this to someone

Projeto Floresta Comum disponibiliza 211.125 Plantas Florestais Autóctones 

As vantagens em melhorar a composição da floresta portuguesa, com recurso a espécies autóctones como carvalhos, medronheiros, castanheiros ou sobreiros, etc, são evidentes. Estas espécies estão mais adaptadas às condições climáticas locais, sendo por isso mais resistente a pragas, doenças, longos períodos de seca ou de chuva intensa. Contribuem ainda para a mitigação das alterações climáticas e são mais resistente a essas mesmas alterações, bem como aos incêndios florestais.

O projeto Floresta Comum, abriu um novo período de candidaturas à Bolsa Nacional de Espécies Florestais Autóctones, que decorre até 30 de Setembro. As plantas estão disponíveis nos 4 viveiros do ICNF, I.P. – Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, para a próxima época de (re)arborização, que decorre de novembro de 2017 a fevereiro de 2018. 

Contando com uma disponibilidade inicial de 211.125 plantas de 48 espécies florestais autóctones, as candidaturas estão abertas a todas as entidades que tenham responsabilidade de gestão de terrenos públicos ou comunitários (baldios).

Com 7 edições, o projeto Floresta Comum disponibilizou até ao momento, mais de 647.737 plantas de 60 espécies autóctones, com uma evolução de 53 mil na campanha de 2012/13, para 201 mil na campanha de 2016/2017. A última época de (re) arborização decorreu entre novembro de 2016 e março de 2017.

Estas ações de (re)arborização tem tido grande o envolvimento  dos Municípios e Juntas de Freguesia, pelo que o projeto considera futuramente, constituir também uma bolsa de plantas para os terrenos privados.

Em que consiste o projeto Floresta Comum?

O projeto Floresta Comum tem como objetivo incentivar a criação de uma floresta autóctone com altos níveis de biodiversidade e de produção de bens e serviços de ecossistema. É parcialmente financiado pelo projeto Green Cork – reciclagem de rolhas de cortiça e conta ainda com o mecenato da REN – Redes Energéticas Nacionais.


Para saber mais sobre o projeto Floresta Comum e sobre plantas autóctones clique aqui.


Este projeto envolve uma parceria entre a Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza, o ICNF, I.P. – Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, a ANMP – Associação Nacional de Municípios Portugueses, e a UTAD – Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

Como me posso candidatar?

O regulamento e os formulários de candidatura estão disponíveis no site Floresta Comum.

Pode consultar o regulamento atualizado, as disponibilidades de plantas de cada viveiro e os documentos necessários para apresentar candidatura.

Projeto  “Uma Árvore pela Floresta”

Como posso contribuir?

Como complemento ao projeto Floresta Comum, a Quercus em parceria com os CTT, desenvolveram o projeto “Uma Árvore pela Floresta” que está de volta para uma nova edição.

“Uma Árvore pela Floresta” é uma iniciativa desenvolvida também com o objetivo de plantação de árvores de espécies autóctones em Portugal.

Os portugueses têm uma vez mais a oportunidade de contribuir e oferecer uma árvore ao País através de um donativo de 3€.

Até 30 de Novembro, é possível ajudar a reflorestar Portugal e o donativo é recompensado com uma árvore de cartão reciclado com um código que permite acompanhar a evolução da árvore real correspondente.

Este ano também o concelho de Castanheira de Pera será incluído na lista de zonas intervencionadas. Desta forma, o projeto contribuirá para ajudar uma das áreas mais afetadas pelos incêndios do passado mês de junho.

Como posso contribuir?

Compre um Kit “Vale uma Árvore” numa loja CTT ou na  loja online.

Para saber mais informações sobre o projeto, clique aqui.


A NOCTULA – Consultores em Ambiente elabora e implementa planos de gestão para espécies de fauna e flora e medidas de minimização/compensação de impactes sobre as mesmas.

Plano de Monitorização dirigido à espécie Murbeckiella sousae na área dos parques eólicos de Seixinhos e Penedo Ruivo (Serra do Marão), assim como o Plano de Florestação e Monitorização para o Parque Eólico de Mirandela, foram alguns dos trabalhos realizados pela NOCTULA – Consultores em Ambiente neste âmbito.

Caso necessite deste tipo de serviços, não hesite em contactar-nos: 232 436 000 ou através do email: info@noctula.pt.

Fonte: Quercus

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInBuffer this pagePin on PinterestTweet about this on TwitterEmail this to someone

Related Posts