fbpx

Buraco de ozono está a “fechar”

Após 30 anos de declínio, a espessura da camada de ozono está a aumentar, ou seja o buraco de ozono está a diminuir. O estudo foi publicado pelo Programa Ambiental das Nações Unidas (UNEP) e coloca os valores atuais numa tendência de recuperação a caminho dos registados em 1980, altura em que a camada de ozono começou perigosamente a perder espessura.

O ozono distribui-se em volta do planeta Terra numa camada bastante fina que serve de filtro às radiações ultravioleta, responsáveis por muitos efeitos nocivos para os seres vivos e em particular para a saúde humana; o cancro da pele é o seu efeito mais nefasto.

Os ciclos de distribuição do ozono — buraco de ozono — são sazonais e variam naturalmente porque estão relacionados, entre outros fatores, com a circulação de ar nas camadas mais altas da atmosfera terrestre. Há muito tempo que os cientistas perceberam que a sua espessura é também influenciada pela composição química da atmosfera.

O Protocolo de Montreal foi assinado em 1987 e nele consta uma lista de substâncias quimicamente responsáveis pela degradação química do ozono — e consequentemente, pela sua destruição. Os mais conhecidos são os CFCs (clorofluorcarbonetos), durante décadas usados nos sprays e nos eletrodomésticos (por exemplo nos frigoríficos). A sua produção foi banida em todo o mundo, mas ainda existem reservas no ambiente e na atmosfera.

camada do ozono nasa

Os cientistas afirmam que a proibição dos compostos perigosos está a ter efeito e se esta tendência continuar, em 2050 a camada de ozono deve atingir a espessura medida no início da década de 1980.

Contudo, os especialistas alertam que os gases que estão a ser usados para substituir os perigosos CFCs não são inócuos, pelo contrário, muitos deles contribuem para o “efeito de estufa” e consequentemente para o aquecimento global.

O relatório da UNEP sublinha que a camada de ozono e o aquecimento global estão relacionados mas têm de ser analisados em separado, ou seja, que a recuperação da espessura da camada de ozono — e com isso a menor entrada de raios ultravioleta — não significa que os gases de estufa estejam a diminuir, pelo contrário.

Fonte: Pedro Esteves em Observador

Imagem em destaque: Nasa

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.