fbpx

Europa promete parar de construir Centrais Termoelétricas a carvão após 2020

As empresas de energia da Europa uniram-se em torno de uma decisão histórica.

Com a aproximação do prazo de 2030, todas as partes interessadas da União Europeia estão a aumentar os esforços para combater as emissões de CO2. Além de se exigir uma repressão às importações de produção insustentável de óleo de palma para biocombustíveis, a UE está a concentrar-se na produção de carvão, comprometendo-se a pôr fim à construção de novas centrais a carvão, ao não autorizar a construção de nenhuma nova central termoelétrica depois de 2020.

O carvão tem sido fundamental para o desenvolvimento da Europa, impulsionando a revolução industrial, mas também emite mais dióxido de carbono do que qualquer outro combustível fóssil, além de toxinas mortais como dióxido de enxofre, dióxido de nitrogénio e partículas, que são responsáveis ​​por mais de 20.000 mortes por ano.

As emissões produzidas a partir da produção de eletricidade a carvão são também a principal causa das mudanças climáticas. Esta decisão histórica é apoiada pelas principais empresas europeias de energia, incluindo a Eurelectric, associação do setor da eletricidade na Europa, que representa 3.500 empresas europeias. Esta medida é um passo importante para ajudar a manter o aumento máximo da temperatura média global o mais próximo possível de 1,5 graus Celsius.

As empresas nacionais de energia de 26 dos 28 países da União Europeia, com exceção da Polónia e da Grécia aderiram à iniciativa. A Grécia tem planos de continuar a construir centrais termoelétricas a carvão, enquanto a Polónia ainda depende do carvão para a produção da sua eletricidade, sendo responsável por 90% da sua produção.

A divulgação foi feita numa reunião coletiva em Bruxelas e teve como objetivo reforçar a missão da Europa de controlar as emissões de gases de efeito estufa. De acordo com o secretário-geral da Eurelectric, Kristian Ruby, o grupo reafirmou a promessa de cumprir o acordo climático de Paris e assumiu o compromisso de fornecer 100% de eletricidade neutra em carbono até 2050.

Central Termoelétrica de carvão no Reino Unido – Greenpeace UK

A inauguração de novas Centrais Termoelétricas caiu mais de 60% em todo o mundo no ano de 2016. Kristian Ruby, afirma que “diminuir o ritmo de construção, no entanto, já não resolve o problema, é preciso desativar esse modelo de produção de energia, de forma a se poder cumprir as metas de emissão, a indústria carvoeira terá de desaparecer até 2030”.

As tecnologias elétricas tem sido uma alternativa natural aos sistemas baseados em combustíveis fósseis, especialmente no setor do transporte. De acordo com a comissária europeia da indústria, Elzbieta Bienkowska, os veículos a diesel tendem a desaparecer mais cedo do que o esperado, devendo, nas próximas décadas ser proibidos ou ser aplicada uma taxa.

O anúncio do fim da indústria carvoeira pela União Europeia é uma demonstração de que o planeta caminha para um mundo mais sustentável. Esperemos que este anúncio seja realmente aplicado!

Em Portugal a Central Termoelétrica de Sines é a empresa com maior emissão de gases com efeito de estufa, com um índice de 13,5%. Veja aqui o nosso artigo sobre este tema: http://noctula.pt/central-termoeletrica-de-sines-e-a-maior-emissora-de-co2-de-portugal/.

Fontes: The GuardianSustainable Brands

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.