fbpx

Global Risks Report 2020 – Top 5 dos riscos globais são ambientais

Foi divulgado recentemente pelo Fórum Económico Mundial (World Economic Forum), a 15ª edição do Relatório Global de Riscos (Global Risks Report). Este relatório foi produzido em parceria com Marsh & McLennan e o Zurich Insurance Group e faz parte do Global Risks Initiative, que junta stakeholders para, em conjunto, desenvolverem soluções integradas e sustentáveis para os principais desafios mundiais.

Cerca de mais de 750 especialistas e tomadores de decisão globais foram convidados a classificar as suas maiores preocupações em termos de probabilidade e impacto. 78% acreditam que os “confrontos económicos” e “polarização política doméstica” vão aumentar em 2020. Segundo os responsáveis pelo elaboração do relatório, esta conclusão é catastrófica principalmente quando há necessidade de enfrentar desafios urgentes como a crise climática, a perda de biodiversidade e o declínio recorde de espécies.

Para as novas gerações, o estado do planeta é ainda mais alarmante. O relatório destaca o modo como os riscos são encarados por aqueles que nasceram depois de 1980. Quase 90% destes inquiridos acreditam que as “ondas de calor extremas”, “destruição de ecossistemas” e “o impacto da poluição na saúde” se irão agravar. Acreditam também que o impacto dos riscos ambientais até 2030 será catastrófico.

Pela primeira vez, numa perspetiva a 10 anos, todos os riscos globais do top 5 em termos de probabilidade são ambientais. O relatório alerta principalmente para:

  • os eventos climáticos extremos com grandes danos ao património, às infraestruturas e perda de vidas humanas;
  • o fracasso na mitigação e adaptação às alterações climáticas por governos e empresas;
  • os desastres e danos ambientais provocados pelo homem, incluindo crime ambiental, como o derramamento de petróleo e a contaminação radioativa;
  • a perda significativa da biodiversidade e colapso de ecossistemas (terrestre ou marinho) com consequências irreversíveis para o ambiente, resultando em recursos severamente esgotados para a humanidade, assim como para as indústrias;
  • as grandes catástrofes naturais como terramotos, tsunamis, erupções vulcânicas e tempestades geomagnéticas.

O relatório refere que “sem atenção urgente à reparação das divisões da sociedade e ao crescimento económico sustentável, os líderes não podem lidar sistematicamente com ameaças como a crise climática ou da biodiversidade”. Por isso, aponta para a “necessidade de os decisores políticos equipararem as metas para a proteção da Terra com as metas de impulso às economias e para as empresas evitarem riscos que potenciem perdas desastrosas no futuro, ajustando as suas metas a objetivos baseados na ciência”.

Pode consultar o relatório completo, AQUI.

A atividade humana já causou a perda de 83% de todos os mamíferos selvagens e de metade das plantas que sustentam os nossos sistemas alimentares e de saúde.

Peter Giger, group chief risk officer, do Zurich Insurance Group, alertou para a necessidade urgente de nos adaptarmos rapidamente para evitar os piores e irreversíveis impactos das alterações climáticas e ainda para ser implementado estratégias que permitam proteger a biodiversidade do planeta:

“Os ecossistemas biologicamente diversos capturam vastas quantidades de carbono e providenciam benefícios económicos massivos, estimados em 33 milhões de milhões anuais. É imperativo que empresas e decisores políticos acelerem a transição para uma economia neutra em carbono e modelos de negócio mais sustentáveis”.

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.