fbpx

Relatório ONU: Um terço dos solos do planeta estão degradados

O relatório The Global Land Outlook apresentado na 13.ª Convenção das Nações Unidas para o Combate à Desertificação, que decorreu em Ordos, cidade situada no norte da China, salienta que um terço dos solos está severamente degradado e que o consumo das reservas naturais do planeta duplicou nos últimos 30 anos.

O relatório refere ainda que em cada ano o planeta perde 15 mil milhões de árvores e 24 mil milhões de toneladas de solo fértil.

A perda da qualidade e quantidade de recursos de terra sustentáveis ​​e produtivos é uma preocupação global imediata, especialmente nos países em desenvolvimento. Suspender e reverter a degradação dos solos é uma das principais prioridades de desenvolvimento sustentável para a maioria dos países.

A conferência focou-se no tema “colaborações para a prevenção e tratamento da desertificação” e teve como objetivos, a concretização da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, a elaboração de um novo enquadramento estratégico e definição da meta para a realização de crescimento zero na desertificação dos terrenos.

Em resposta a este desafio global, a United Nations Convention to Combat Desertification’s – UNCCD, criou uma publicação e plataforma de comunicações estratégicas, intitulada Global Land Outlook (GLO) que aborda os futuros desafios e oportunidades para a gestão e restauração de recursos fundiários no contexto do desenvolvimento sustentável, incluindo:

    • Segurança alimentar, aquática e energética;
    • Mudança climática e conservação da biodiversidade;
    • Desenvolvimento urbano e de infra-estruturas;
    • Migração, conflitos e segurança humana.
Principais conclusões do relatório:
  • Os pequenos agricultores, as mulheres e as comunidades indígenas são as populações mais vulneráveis, dada a dependência de recursos da terra;

 

  • Mais de 1,3 mil milhões de pessoas estão presas a solos agrícolas degradados, fazendo aumentar dramaticamente a luta por áreas fundamentais como: alimentação, água e energia;

 

  • Mais de 250 milhões de pessoas são diretamente afetadas pela desertificação e cerca de mil milhões estão em risco numa centena de países;

 

  • De 1998 a 2013, cerca de 20% da superfície da terra coberta por vegetação perdeu produtividade, sendo que as más práticas de gestão dos solos são responsáveis por 25% dos gases com efeito de estufa;

 

  • Estima-se que a África Subsariana, a Ásia Meridional, o Médio Oriente a o Norte de África serão as regiões que no futuro terão maiores problemas, pela degradação dos solos, mas também pelo crescimento demográfico, pobreza, falta de água e “elevadas perdas de biodiversidade”;

 

  • Uma minoria enriqueceu com o uso não sustentável e a exploração em larga escala dos recursos da terra, dessa forma é necessário repensar a forma de planificar, utilizar e gerir os solos.

 

A construção, impermeabilização, erosão, diminuição do teor de matéria orgânica, perda de biodiversidade e contaminação estão a afetar a quantidade e qualidade do solo disponível para a sobrevivência humana.

O estudo conclui que uma planificação, gestão e utilização sustentável dos solos determinará o futuro dos recursos e o êxito ou fracasso da redução da pobreza, da segurança alimentar e da água e a redução dos riscos decorrentes das alterações climáticas.

Pode consultar o relatório completo, clique aqui.

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.