fbpx

Conferência “Comunica 2016” apoia Projeto Floresta Comum

No dia 3 de Novembro decorreu no auditório do ISCAP, no Porto a conferência COMUNICA 2016, que contou com a presença de várias empresas e entidades fortemente ligadas a projetos de proteção e conservação da natureza, como são o caso da Lipor, Corticeira Amorim e Quercus, entre outras.

Com a temática Comunicação na área do ambiente, fez todo sentido, que o evento estivesse ligado a um projeto na área da sustentabilidade, proteção e conservação da natureza. Desta forma, esta conferência, permitiu que todos os participantes pudessem conhecer toda a envolvente do Projeto Floresta Comum, um projeto que promove e apoia ações de produção e arborização com espécies florestais autóctones no território nacional, contribuindo e incentivando dessa forma a biodiversidade das florestas.

Esta conferência foi organizada em parceria com a Quercus, que também é um dos parceiros do projeto Floresta Comum, o evento permitiu que todos os participantes, com um pequeno gesto, pudessem dar o seu contributo às florestas portuguesas.

No dia do evento cada participante escolheu uma das árvores autóctones disponíveis (azinheira, sobreiro ou carvalho) que será plantada pela Quercus durante a próxima época de (re) arborização, que decorrerá de novembro de 2016 a fevereiro de 2017.

Comunica 2016

Em que Consiste o Projeto Floresta Comum?

Nascido em 2012, o Projeto Floresta Comum cria árvores autóctones nos viveiros do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas, para distribuição gratuita pelos municípios e associações de baldios, contribuindo dessa forma, para reflorestação das nossas florestas.

O Floresta Comum tem como missão promover a produção, angariação e distribuição de árvores autóctones, a projectos que demonstrem motivação, comprovem competências e possuam os meios necessários para proceder ao plantio e cuidado das florestas que tencionam plantar.

O objetivo é fomentar e incentivar a criação de uma floresta com altos índices de biodiversidade e de produção de serviços ecológicos, fazendo chegar os conhecimentos e as árvores às pessoas e instituições que têm disponibilidade e vontade de intervir.

florestacomum

Resultando de uma parceria entre a Quercus – Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, a Associação Nacional de Municípios Portugueses e a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, este projeto pretende envolver e sensibilizar toda a comunidade, potenciando a criação de estruturas e redes locais de recuperação da floresta autóctone portuguesa.

A Floresta Comum é parcialmente financiada pelo projeto Green Cork – reciclagem de rolhas de cortiça, um programa desenvolvido pela Quercus, em parceria com a Corticeira Amorim, o Continente e a Biological. Tem como objetivo não só a transformação das rolhas usadas noutros produtos, mas, também, com o seu esforço de reciclagem, permitir o financiamento de parte do Programa “Floresta Comum”. Ao juntar rolhas para o GreenCork, está a contribuir para uma floresta comum.

rolhas de cortiça

O que é uma Floresta Autóctone?

Uma floresta autóctone é uma floresta de árvores originárias do próprio território. A floresta autóctone portuguesa é toda a floresta formada por árvores originárias do nosso país, como é o caso do carvalho, do medronheiro, do loureiro, da azinheira, do sobreiro, entre outras.

Vantagens da implementação do projeto Floresta Comum

Melhorar a composição da floresta portuguesa, com recurso a espécies autóctones começa a ter uma uma grande importância. Em comparação com as espécies introduzidas, esta floresta tem as seguintes vantagens:

  • As florestas autóctones estão mais adaptadas às condições do solo e do clima do território, por isso são mais resistentes a pragas, doenças, longos períodos de seca ou de chuva intensa, em comparação com espécies introduzidas;
  • Ajudam a manter a fertilidade do espaço rural, o equilíbrio biológico das paisagens e a diversidade dos recursos genéticos;
  • As florestas autóctones fazem parte do nosso ecossistema. São importantes lugares de refúgio e reprodução para um grande número de espécies animais autóctones, muitas delas também em vias de extinção;
  • As florestas autóctones exercem um importante papel na regulação e melhoria do clima, bem como no sequestro de carbono da atmosfera contribuindo para a redução do efeito estufa.
  • Regulam o ciclo hidrológico e a qualidade da água, formam solo e servem ainda de matéria-prima a produtos fundamentais na vida quotidiana;
  • As florestas autóctones, embora de crescimento mais lento, quando bem desenvolvidas, são normalmente mais resistentes e resilientes aos incêndios florestais;
  • Este aspecto, aliado ao fato destas espécies possuírem períodos de exploração mais longos, permitem o cumprimento dos objectivos de retenção de carbono previstos no protocolo de Quioto.

 

Projeto Floresta Comum

Com 5 edições completas, o projeto Floresta Comum já ofereceu 445222 mil plantas de 60 espécies autóctones que foram plantadas em terrenos públicos e comunitários (baldios) em 162 municípios. Desde a primeira fase de candidaturas em 2012, tanto a solicitação como a oferta de plantas, tem vindo a aumentar.

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.