Empresas portuguesas apostam cada vez mais na sustentabilidade

Alterações climáticas, Ambiente, Blog, Eficiência Energética, Energia, Energias Renováveis, sustentabilidadeComentários fechados em Empresas portuguesas apostam cada vez mais na sustentabilidade127

As empresas portuguesas estão a apostar cada vez mais na sustentabilidade e na responsabilidade social e ambiental. Algumas delas, inclusivamente, já são consideradas uma referência a nível mundial. Num cenário internacional onde se começam a tornar visíveis os efeitos negativos das alterações climáticas, a preocupação é generalizada e começa a ganhar uma grande importância nas políticas governamentais dos países, nos hábitos de consumo dos cidadãos, mas também nas estratégias e decisões no âmbito empresarial.

Em Portugal, são várias as empresas e setores de atividade que já manifestaram a sua intenção de reduzir o impacto ambiental das suas atividades, contribuindo assim para a melhoria global do planeta. E há mesmo casos que puseram várias medidas em prática para tornar mais sustentável o seu processo de produção, seguindo o exemplo de importantes empresas internacionais.

Veja-se o caso do gigante da Internet Google, que desde 2017 já funciona a 100% com energia renovável, convertendo-se no maior comprador corporativo de eletricidade limpa a nível mundial.

No nosso país, um dos melhores exemplos é o Grupo EDP, que desde 2018 integra a Euronext Video World 120, um ranking que distingue as melhores empresas do mundo no que diz respeito às práticas de sustentabilidade. Além disso, desde 2012 (e pelo sétimo ano consecutivo), o maior grupo nacional do setor energético também integra os três índices Euronext Vigeo Eiris, que destacam as melhores empresas em termos de desempenho ESG (ambiental, social e de governance).

Ainda no âmbito do setor energético, também a GALP é um exemplo de boas práticas. Este ano, a petrolífera portuguesa foi distinguida pelo Dow Jones Sustainability Index (DJSI) como a melhor da Europa e a terceira a nível mundial no âmbito de “Oil & Gas”, conquistando a sua melhor pontuação depois de integrar o ranking durante oito anos consecutivos. Os melhores resultados da empresa estão relacionados com os critérios de “Riscos Relacionados com a Água” e “Estratégia Climática”.

Outra das empresas portuguesas, neste caso do setor do retalho, que também integra o ranking das 120 empresas mais sustentáveis do mundo é o grupo Jerónimo Martins, que se encontra atualmente no nível de desempenho mais elevado, com uma avaliação de 94% no que diz respeito à divulgação de informação sobre sustentabilidade. Para esta impressionante classificação terão contribuído fatores como a redução da sua pegada carbónica em 5% entre 2018 e 2020, a redução do desperdício alimentar do grupo em 10% no mesmo período (comparativamente a 2016), assim como a determinação da empresa em reduzir este valor para a metade até 2025.

Apesar de não estarem incluídas nos mais importantes rankings internacionais da sustentabilidade, há muitas outras empresas nacionais que começam a mudar de mentalidade e a dar importância a métricas distintas, para além dos lucros e da produtividade, tais como a responsabilidade social e ambiental.

Um exemplo no âmbito do entretenimento é o mundo dos casinos. O Casino Estoril, por exemplo, incluiu objetivos ambiciosos no seu relatório de sustentabilidade de 2017. Com cerca de 1000 slot machines, numerosas mesas com jogos tradicionais como o blackjack, que na sua versão clássica é um dos jogos de casino mais populares no mundo inteiro, Roleta, Texas Hold’Em ou Banca Francesa, entre outros, neste casino (como noutros espaços de caraterísticas similares) o elevado consumo enérgico é uma realidade e uma preocupação constante.

Neste âmbito, o Casino Estoril criou um projeto de maximização e eficiência de meios, com o objetivo de potenciar a poupança de energia elétrica, não apenas por razões de controlo de custos, mas também e sobretudo para materialização das preocupações ambientais.

O Grupo Estoril Sol também tem apostado na aquisição de material reciclado, designadamente de papel 100% reciclado e na sensibilização dos seus colaboradores para uma utilização consciente de papel, e para a reutilização e reciclagem do papel usado.

E se até agora só mencionámos casos de setores tradicionais que se foram adaptando às novas preocupações sociais e ambientais, também é importante referir que começam a surgir novos projetos em Portugal que já nascem com a sustentabilidade como conceito de base e como objetivo primordial. E não é necessário sair da capital para analisar um caso muito interessante: o polo eco-style de Lisboa nasceu em março de 2017 na Lx Factory, como um espaço comercial inteiramente dedicado a um estilo de vida ecológico, com produtos sustentáveis e de proximidade.

Estes são apenas alguns exemplos de boas práticas no que diz respeito à sustentabilidade das empresas em Portugal. Mas é importante reforçar que ainda há muito a fazer no nosso país, de forma a preservar o meio ambiente e a melhorar o futuro de todos.

Related Posts