IUCN integrou 6 novas áreas naturais à Lista Verde de Áreas Protegidas e Conservadas

Ambiente, Blog, Fauna, Flora, sustentabilidadeComentários fechados em IUCN integrou 6 novas áreas naturais à Lista Verde de Áreas Protegidas e Conservadas343

A International Union for Conservation of Nature (IUCN) integrou seis novas áreas naturais na Lista Verde de Áreas Protegidas e Conservadas.

Lançado em 2014, o modelo “Green List”Lista Verde de Áreas Protegidas e Conservadas, mede a eficácia das áreas protegidas, reconhece as melhores áreas naturais e incentiva os responsáveis em todo o mundo a melhorar a sua gestão.

A Lista Verde tem ainda o objetivo de acelerar o progresso para a Meta 11 de Aichi, uma meta de biodiversidade da ONU que pretende que 17% das áreas terrestres e 10% das áreas marinhas sejam protegidas, efetivamente conservadas e bem geridas até 2020.


Leia ainda: Lista Verde da IUCN: O novo modelo de avaliação de espécies protegidas


Os locais que integram a Lista Verde da IUCN têm de demonstrar excelência com base numa avaliação rigorosa de 17 critérios enquadrados em 4 áreas:

  1. planeamento;
  2. gestão eficaz;
  3. assertiva tomada de decisão;
  4. resultados positivos de conservação.

As 6 novas áreas naturais certificadas e incluídas na Lista Verde, situam-se na França e no México, elevando o número total de áreas naturais protegidas para 46 em 14 países.

Descubra AQUI todas as áreas protegidas e conservadas da Lista Verde da IUCN.

A Green List é primeiro modelo que reconhece as melhores práticas em áreas protegidas. Um bom exemplo encontra-se na Reserva da Biosfera Isla San Pedro Mártir no México.

A ilha abriga as maiores colónias de nidificação do mundo de atobás azuis (Sula nebouxii) e atobás marrons (Sula leucogaster). É também a 4ª colónia de reprodução mais importante de leões-marinhos (Zalophus californianus) no Golfo da Califórnia.

Os positivos resultados de conservação, foram apoiados por estratégias de gestão, que inclui um programa de conservação para o desenvolvimento sustentável. Atualmente, os pescadores locais estão cientes dos benefícios de conservação desta área marinha protegida.

Desde o seu lançamento, o número de países comprometidos com a Lista Verde da IUCN, tem aumentado. A França é o país com o maior número de áreas naturais incluídas, no entanto, países como a Austrália, Costa do Marfim, China, Quénia,  Malásia, Madagáscar e o Estado da Califórnia já se comprometeram a nomear mais áreas naturais para a Lista Verde da IUCN num futuro próximo.

Como funciona a integração de áreas protegidas na “Green List”?

A Lista Verde de Áreas Protegidas e Conservadas da IUCN é o primeiro padrão global direcionado para a identificação das melhores práticas de conservação e gestão em áreas protegidas. É um programa de certificação para áreas protegidas como:

  1. parques nacionais;
  2. áreas naturais classificadas Património Mundial da UNESCO;
  3. áreas comunitárias conservadas;
  4. reservas naturais, entre outras.

Estas áreas entram na Lista Verde comprometendo-se a atingir o seu próprio padrão de gestão. Sendo apenas certificados quando demonstram um alto nível de desempenho ambiental e social.

O processo de certificação pode levar entre 6 meses a 5 anos, durante os quais os responsáveis pela gestão das zonas protegidas trabalham para atingir os objetivos específicos da área a conservar. Durante esse período, os locais são regularmente avaliados com base num conjunto de critérios exigentes.

Os locais integrados na “Green List” beneficiam de uma orientação especializada sobre como melhorar o seu desempenho. Tornam-se também parte de uma rede que promove o intercâmbio de práticas de gestão entre os profissionais de conservação.

Trevor Sandwith, Diretor do Programa Global de Áreas Protegidas da IUCN, explica que “os locais candidatos beneficiam do Padrão da Lista Verde da IUCN e dos principais conselhos de uma ampla rede de especialistas da IUCN, o que ajuda os gestores de conservação a desenvolver estratégias assertivas de gestão e conservação e a direcionar os investimentos para um progresso real”.


Fonte: IUCN

Related Posts