fbpx

Novo Guia Prático para a Gestão de Áreas Marinhas Protegidas

A pesca intensiva, a poluição marinha, a destruição de habitats, a acidificação, o aumento da temperatura e o derretimento do gelo marinho tem afetado negativamente a biodiversidade e os ecossistemas marinhos, reduzindo populações de espécies marinhas a um ritmo alarmante.

De todas as espécies de peixes, 90% estão totalmente explorados ou sobre-explorados, 50% dos recifes de coral já desapareceram e um terço das pradarias marinhas foram destruídas.

Uma das formas mais eficazes de proteger a biodiversidade e os ecossistemas marinhos é a criação de Áreas Marinhas Protegidas (AMP) – zonas geograficamente delimitadas, destinadas à gestão e conservação da biodiversidade, dos habitats e dos ecossistemas marinhos.

Principais vantagens das AMP? 

– Redução da mortalidade das espécies ou a diminuição do impacto da pesca nos habitats;

– A proteção dos habitats confere um suporte para a recuperação da biodiversidade, particularmente das espécies mais ameaçadas e com funções únicas, mantendo desta maneira o equilíbrio das teias alimentares e das funções ecológicas existentes, como a produção de oxigénio, a regulação do clima e a fixação de carbono;

– Proteção de zonas de maternidade e dos adultos reprodutores, aumentando, assim, o sucesso reprodutor e a sobrevivência da descendência;

– A redução da pressão da atividade local possibilita que os ecossistemas permaneçam mais saudáveis e tenham uma maior resiliência.

Em Portugal existem, atualmente, 71 áreas marinhas protegidas, de âmbito nacional ou local, que correspondem a 1% de todo o mar territorial e a apenas 0.03%, se incluirmos a totalidade da Zona Económica Exclusiva (ZEE). 

A UN Environment promove a implementação de áreas marinhas protegidas para conservar as populações de peixes e a função dos ecossistemas, ajudando os países a administrar as suas áreas através de apoio técnico.

Nos últimos 15 anos, as áreas marinhas protegidas foram aumentadas em 25%.

Até ao momento, existem 14.830 áreas marinhas protegidas que cobrem 7,6% do oceano.

No entanto, apesar desses esforços, pesquisas mostram que muitas áreas marinhas protegidas exigem uma melhor gestão. Alguns estudos indicam que 40% das AMP têm deficiências de manutenção, como ficou reportado no relatório Frontiers de 2017.

É perante este contexto desfavorável que a UN Environment decidiu lançar um guia prático, que todos os governos, gestores e responsáveis pela tomada de decisões podem utilizar, a fim de apoiar o projeto e o gestão correta de áreas marinhas protegidas.

Guia prático para a gestão de Áreas Marinhas Protegidas

Este guia fornece conselhos baseados em evidências sobre como usar a gestão de áreas marinhas protegidas para promover a conservação e partilhar recursos marinhos sustentáveis. O documento foi desenvolvido usando 34 estudos de casos e exemplos das melhores práticas de áreas marinhas protegidas, de todo o mundo.

Os estudos de caso usados ​​no guia cobrem diversos tipos de áreas marinhas protegidas, incluindo áreas protegidas de uso múltiplo, pequenas, grandes, remotas, privadas, lideradas pelo governo, descentralizadas e lideradas pela comunidade.

O guia destaca ainda diferentes abordagens de gestão, desafios enfrentados e soluções implementadas para atingir os objetivos de conservação.

Os benefícios ecológicos, sociais e económicos das Áreas Marinhas Protegidas sustentam muitos dos 17 Objetivos da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

Embora a meta de proteger 10% das águas territoriais já tenha sido atingida, a proteção do meio ambiente marinho também exige uma gestão eficaz e uma distribuição mais equitativa de custos e benefícios. “Não há duas áreas iguais, pelo que é necessária uma abordagem flexível“.

 Mais detalhes podem ser encontrados no Compêndio de Estudo de Caso que apoia o guia.

Fonte: Oceanário, Instalador, UN Environment

A NOCTULA – Consultores em Ambiente realiza várias monitorizações ambientais, nomeadamente Monitorização de Sistemas Ecológicos:

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.