fbpx

Planeta ou Plástico? O compromisso das instituições em Portugal

[parceria]

“Cientistas detetam microplásticos em órgãos e tecidos humanos”. A notícia datada de 17 de agosto deste ano e libertada pela Agência Lusa dá conta de uma investigação levada a cabo por cientistas norte-americanos que levou à descoberta de microplásticos e nanoplásticos em órgãos e tecidos humanos. Apesar de ser ainda impossível perceber se estes materiais não degradáveis possam causar efeitos nefastos na saúde, a verdade é que a descoberta não deixa de ser preocupante.

Consumimos demasiado plástico, isto é inegável. Segundo um estudo da World Wildlife Fund (WWF), em Portugal, 72% do lixo encontrado em zonas industriais e de estuários são microplásticos – partículas com menos de 5 milímetros que resultam da degradação do plástico. As zonas mais afetadas, com maiores densidades de microplásticos, são Lisboa e a Costa Vicentina pela proximidade aos estuários do Tejo e Sado.

Esta poluição por microplásticos tem repercussões importantes não só na cadeia alimentar marinha, mas também em humanos. Estima-se que:

  1. 20% dos peixes de consumo quotidiano tenham microplásticos nos seus estômagos;
  2. 80% das tartarugas-marinhas-comuns comam lixo – que na sua maioria é plástico.

 

Consumimos demasiado e uma parte generosa dos produtos consumidos vem embalada em plástico. Não há planeta B e o plástico não é biodegradável. Vários governos, ONG’s (Organizações Não Governamentais), empresas e cidadãos anónimos, alertados por esta situação insustentável, já se puseram em marcha.

Governo: Planeta ou Plástico?

Com 721 milhões de garrafas de plástico, 259 milhões de copos de café descartáveis, mil milhões de palhinhas e 40 milhões de embalagens descartáveis (take away ou fast food) consumidas em média por ano, Portugal começou a lutar mais seriamente contra este flagelo em 2018 com a aprovação de uma resolução que proibia a administração direta e indireta do Estado de usar garrafas, sacos e louça de plástico.

A medida seguinte veio já em julho deste ano, com a transposição, seis meses antes dos restantes países da EU, da diretiva europeia que vem proibir a venda de objetos como palhinhas, talheres, copos e cotonetes de plástico. Dentro de três anos será obrigatória a existência de sistemas de depósito de embalagens de bebidas em plástico, vidro, metais ferrosos e alumínio com depósito não reutilizáveis.

Cidadãos: Planeta ou Plástico?

Se, da parte legislativa, começa a surgir uma efetiva consciencialização para o hiperconsumo de plástico, da parte dos cidadãos, e apesar de 96% dos portugueses terem afirmado num inquérito conduzido pela associação ambientalista Quercus estarem cientes do problema ambiental associado aos plásticos e microplásticos, ainda há um caminho muito longo a percorrer. Apesar de reconhecerem o problema, menos de 50% admitia ter mudado o seu comportamento em relação ao consumo de plástico e 22.6% não conheciam as alternativas ecológicas a grande parte dos produtos descartáveis – falamos de sacos de compra de pano, escovas de bambu, garrafas reutilizáveis, alternativas aos cotonetes, etc.

A consciencialização é como uma bola de neve, através do exemplo e das boas práticas a imagem deixada neste inquérito vem alterando-se e, em fevereiro de 2019, um estudo realizado pela Marktest/Novo Verde, dizia-nos que 8 em cada 10 portugueses afirmava fazer a reciclagem e apontava para um crescimento de 8,8% na recolha de resíduos de embalagem em Portugal.

Empresas e Instituições: Planeta ou Plástico?

Informação e consciencialização são o segredo, um segredo que muitas empresas portuguesas já descobriram, inclusive companhias ligadas à produção de garrafas de plástico como a Logoplaste.

Este fabricante de garrafas de plástico para gigantes como a Henkel, Coca-Cola, L’Oréal ou Danone, decidiu utilizar material plástico reciclado, o que permite reduzir o consumo de materiais plásticos de origem fóssil, e algumas das embalagens produzidas já incorporam até 100% de conteúdo em material reciclado. Até 2025, o objetivo da Logoplaste é eliminar as embalagens de plástico problemáticas ou desnecessárias e passar de modelos de uso único para modelos de reutilização. Pretendem ainda que 100% das embalagens que fabricam sejam recicláveis ou reutilizáveis, de forma a aumentar o conteúdo reciclado nas embalagens que produzem.

A esta medida vinda de dentro da própria indústria do plástico, junta-se a Adalberto, empresa têxtil no concelho de Santo Tirso cuja meta não é menos ambiciosa: abolir o uso de plástico.

Com um plano a três anos para transformar a Adalberto numa empresa 100% sustentável, o plano estratégico em marcha já permitiu substituir todas as embalagens de plástico por papel FFC (papel proveniente de florestas com plantação controlada) e utiliza fitas de tecidos provenientes do desperdício dos materiais. Para 2021, o objetivo é acabar com as embalagens de plástico e passar a utilizar painéis solares para reduzir o consumo de energia.

Este compromisso para a redução do plástico na nossa sociedade tem um forte aliado nas potencialidades das tecnologias digitais. Veja-se o caso do Unibanco, instituição bancária especializada em soluções de crédito que à redução do plástico por via do lançamento de um novo cartão Unibanco ecológico em PVC degradável para substituir o tradicional cartão de crédito em plástico, junta uma aposta na digitalização dos serviços que oferece aos clientes e que tradicionalmente requerem um consumo de papel elevado, nomeadamente a adesão a cartões de crédito e crédito pessoal (que agora pode ser feito de forma 100% digital), a adesão ao extrato digital e a aposta na app Unibanco, a partir da qual os clientes podem gerir todos os seus movimentos sem deslocações.

Se, como vimos, a “plastificação” do planeta recebeu um rotundo STOP por parte da Adalberto ou do Unibanco, a start-up Soditud de Santarém está apostada em substituir o plástico pelo plástico biobase, produzido a partir de biomassa ou plantas em vez de hidrocarboneto. Compostáveis e ecofriendly, os pratos e as palhinhas produzidos por esta empresa são comestíveis e a louça biodegradável. Basta colocar no lixo normal que, em 20 dias, ele desaparece.

Soluções

Os peritos são unânimes: as soluções para reduzir a quantidade de plástico passam por:

  1. uma economia circular através do reaproveitamento dos desperdícios face à escassez cada vez maior das matérias-primas;
  2. uma responsabilidade social de todos os consumidores.

 

É fundamental que os produtos de plástico, por via do ecodesign, sejam projetados cada vez mais para a reciclagem e para o ambiente, com o propósito de aumentarmos a sua reciclabilidade, sempre com o princípio básico de não comprometermos a sua função.

Criar conhecimento e tecnologia para melhorar a reciclagem e produzir produtos que tenham uma relação com o ambiente mais favorável a que se junta a indispensável contribuição e responsabilidade dos consumidores, são os fatores base para que a resposta definitiva à questão “Planeta ou Plástico?” seja cabalmente Planeta!

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.