fbpx

Governo aprova Plano de Ação para a Conservação das Aves Necrófagas

A 12 de Agosto, foi publicado em Diário da República o Despacho n.º 7148/2019 que aprova o Plano de Ação para a Conservação das Aves Necrófagas (PACAN).

O PACAN foi elaborado pelo ICNF – Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, em articulação com a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV), entidade competente nas matérias de saúde e proteção animal. Contou ainda com os contributos de especialistas neste grupo de aves e de organizações não-governamentais envolvidas na sua conservação.

Na elaboração deste documento foi tido em conta todo o conhecimento adquirido com o desenvolvimento das ações do projeto LIFE – Promoção do habitat do lince-ibérico e do abutre-preto no Sudeste de Portugal (LIFE 08/NAT/PT/000227) dirigidas à conservação do abutre-preto.

O PACAN já tinha sido integrado na Estratégia Nacional de Conservação da Natureza e Biodiversidade 2030 (ENCNB 2030), aprovada pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 55/2018, de 7 de maio, que aludia à necessidade de aprovar o plano de ação referente às aves necrófagas, enquadrado no objetivo de “programar e executar intervenções de conservação e de recuperação de espécies (fauna, flora) e habitats ao nível nacional”.

Apesar de serem legalmente protegidas, as aves necrófagas existentes em Portugal encontram-se genericamente em situação populacional vulnerável.

Algumas espécies têm sofrido uma regressão demográfica, com o desaparecimento de alguns núcleos nidificantes.

Principais problemas apontados?
  • redução da disponibilidade de alimentos;
  • mortalidade não natural provocada pela eletrocussão em linhas eléctricas, por exemplo;
  • diminuição de produtividade das populações destas aves;
  • falta de suportes adequados para a construção de ninhos, em especial no caso do abutre-preto;
  • falta de interesse e de sensibilização das populações.

 

Desde o ano de 1990 que é proibido o abandono de carcaças de animais de gado nos campos, por imposição da UE, numa tentativa de evitar que se espalhasse a doença da encefalopatia espongiforme. Dessa forma, abutres e grifos passaram a alimentar-se exclusivamente nos campos de alimentação para aves necrófagas (CAAN), que consistem em áreas completamente vedadas onde é regularmente depositada a comida.

Com a nova estratégia, Portugal altera a legislação atual, com o estabelecimento de regras para que estas espécies se possam alimentar de carcaças de animais abandonadas fora dos CAAN. 

A criação de “zonas de proteção para alimentação de aves necrófagas fora dos campos de alimentação”, em parceria com explorações pecuárias e entidades gestoras de caça, será outra das medidas a implementar. O objetivo é “repor o padrão ecológico natural de disponibilidade de alimento para as aves necrófagas”.

Os CAAN deverão também passar a funcionar em rede, com a definição de novas regras e obrigações, ficando o ICNF como entidade coordenadora, que irá avaliar periodicamente o cumprimento das regras.

Plano de Ação para a Conservação das Aves Necrófagas (PACAN)

Este plano de ação baseia-se no diagnóstico da situação nacional de cada espécie e identifica as medidas necessárias para promover o seu estado de conservação favorável.

Tem uma incidência particularmente relevante sobre as duas espécies estritamente necrófagas de abutres com populações permanentes em Portugal que apresentam estatuto de ameaça:

Britango (Neophron percnopterus) | Fonte: Flickr 

Abutre-preto (Aegypius monachus) | Fonte: Flickr 

O objetivo é garantir a recuperação e conservação das aves necrófagas, evitando principalmente a regressão da população nidificante de britango e aumentando a população nidificante de abutre-preto.

O Grifo (Gyps fulvus), classificado como espécie “quase ameaçada”, é outra das espécies necrófaga que requer especial atenção desta nova estratégia de conservação.

Contudo, as medidas preconizadas devem ter repercussão noutras espécies com hábitos estrita ou parcialmente necrófagos, contribuindo para a recuperação ou manutenção do seu estado de conservação favorável, sendo de destacar a relevância da implementação destas medidas para inverter a tendência de regressão da população nidificante do Milhafre-Real (Milvus Milvus), que, sendo parcialmente necrófago, apresenta um elevado estatuto de ameaça, estando classificado como “Criticamente em Perigo (CR)”.

A estratégia dirige-se também a outras espécies, que tal como o Milhafre-Real, só por vezes se alimentam de cadáveres, como por exemplo: o milhafre-preto (Milvus migrans), a águia-real (Aquila chrysaetos), a águia-imperial (Aquila adalberti) e o corvo (Corvus corax).

Objetivos Gerais:

Objetivo geral 1: Aumentar a área de distribuição da população nidificante de abutre-preto, nas zonas do Tejo Internacional e em Moura/Mourão/Barrancos;

Objetivo geral 2: Manter o número de casais e a área de distribuição da população nacional de britango, assim como aumentar a sua produtividade no nordeste do país;

Objetivo geral 3: Reduzir a mortalidade não-natural, a perturbação e a perda de habitat das aves necrófagas, através:

  • da criação de um sistema de monitorização de causas de morte;
  • do reforço do Programa Antídoto em zonas prioritárias;
  • da correção de mais linhas elétricas identificadas como perigosas;
  • da diminuição do risco colocado por parques eólicos em zonas mais sensíveis, em especial o Sudoeste do Algarve.

 

Objetivo geral 4: Reduzir a falta de conhecimento e de sensibilização da sociedade e dos agentes de interesse na conservação das aves necrófagas.

Principais linhas de atuação:

a) Fomento da nidificação e incremento do sucesso reprodutor das aves necrófagas ameaçadas;

b) Fomento da disponibilidade alimentar para as aves necrófagas;

c) Redução da mortalidade não natural das aves necrófagas;

d) Conhecimento e sensibilização sobre aves necrófagas;

e) Monitorização das populações das aves necrófagas;

f) Promoção da articulação de medidas de política.

Áreas prioritárias para conservação de Espécies Necrófagas

A área de incidência deste Plano de Ação abrange as áreas integradas pelo Sistema Nacional de Áreas Classificadas (SNAC) , definido pelo Decreto-Lei n.º 142/2008, de 24 de julho, na sua redação atual) e ainda áreas importantes para a conservação destas espécies, incluindo áreas protegidas e áreas classificadas como sendo importantes para as aves (conhecidas por IBA, ‘Important Bird Areas’).

Fontes: DRE; Wilder

Imagem de destaque: (Grifo – Gyps fulvus) – Fonte: Flickr

A NOCTULA – Consultores em Ambiente realiza várias monitorizações ambientais, nomeadamente, monitorização, mitigação e investigação para aves aquáticas e marinhas, aves de rapina, passeriformes em geral, aves de montanha, estepárias e noturnas.

Caso necessite de algum serviço na área da Monitorização de Sistemas Ecológicos, não hesite em contactar-nos: 232 436 000 ou através do email: info@noctula.pt.

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.