fbpx

Portugal cai 10 lugares na luta contra as alterações climáticas

Portugal desceu dez lugares no desempenho contra as alterações climáticas, passando a ocupar o 19º lugar entre os 58 países mais poluentes, de “bom” para “moderado”, segundo o relatório “Climate Change Performance Index 2016”, apresentado na Cimeira do Clima (COP21), em Paris.

A classificação baseou-se na comparação do desempenho de 58 países responsáveis por mais de 90% das emissões mundiais de dióxido de carbono.

desflorestação e a degradação das florestas, nomeadamente os incêndios florestais, terão sido as principais causas para esta descida apontada no estudo das organizações não-governamentais German Watch e Rede Europeia de Ação Climática. Mas, há ainda outros fatores que contribuíram para o fraco desempenho ambiental de Portugal no Climate Change Performance Index 2016, tais como o uso de carvão na produção de eletricidade e o facto de em 2013, apesar de o peso das energias renováveis ter crescido, ter ocorrido um desinvestimento nesta área.

Francisco Ferreira, um dos 300 especialistas em energia e clima consultados para a elaboração do relatório defende que, apesar do bom trabalho interno, o mesmo não acontece a nível internacional. “Se, por um lado, Portugal foi o país mais ambicioso nas metas de energia e clima para 2030 à escala europeia, alguns atrasos no anúncio da (limitada) contribuição para o Fundo Verde do Clima e a incapacidade de participar de forma mais ativa e publicitada nas negociações das Nações Unidas a nível ministerial [justificam a penalização].

Na área da eficiência energética Portugal perdeu pontos, porque usa mais energia por produto interno bruto – os consumos mantiveram-se, o PIB é que diminuiu.

ccpi2016 portugal germanwatch

Os autores do relatório “Climate Change Performance Index 2016” ressalvam ainda que pela primeira vez, em 2014, o aumento da capacidade energética veio do lado das energias renováveis e não das energias fósseis. E os sinais positivos vão mais longe: cerca de metade do investimento em energias renováveis veio efetivamente de países emergentes e em desenvolvimento.

Fontes: Ambiente Magazine, Observador

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.