fbpx

Portugal queimou 700 milhões de toneladas de combustíveis fósseis

Portugal consumiu mais de 700 milhões de toneladas de combustíveis fósseis equivalentes ao petróleo para sustentar o seu desenvolvimento nos últimos 125 anos. Se quisermos cumprir o nosso papel na luta contra as alterações climáticas, temos que nos livrar, até ao final do século, de 16 milhões de toneladas de petróleo, carvão e gás natural que ainda queimamos anualmente para mover os carros, produzir eletricidade, alimentar indústrias e abastecer habitações.

Estes números resultam de uma compilação, feita em 2015 pelo PÚBLICO, dos balanços energéticos oficiais do país desde 1971 e de um levantamento histórico do uso de carvão e petróleo desde 1890. Uma aproximação simplificada das duas séries sugere que o país utilizou 521 milhões de toneladas de petróleo entre aquela data e 2014. A seguir vem o carvão, com 145 milhões de toneladas – também expressa em equivalentes de petróleo. E por fim o gás natural, com 56 milhões. O uso destes combustíveis fósseis soma, no período em análise, 722 milhões de toneladas equivalentes de petróleo.

O mundo terá de abdicar destas fontes de energia nas próximas décadas, para evitar um aumento da temperatura global acima de 2ºC – considerado incomportável. Para tal, as emissões mundiais de CO2 terão de baixar de 40% a 70% até 2050 e chegar a zero até 2100, segundo o IPCC, o painel científico da ONU para as alterações climáticas. Na prática, é o fim anunciado dos combustíveis fósseis, de onde vêm a maior parte das emissões de CO2.

Portugal tem projetos concretos para descarbonizar a sua economia no curto e médio prazo. O Plano Nacional para as Alterações Climáticas, quer reduzir as emissões de CO2 em 40% até 2030, em relação a 2005. Para tal, será preciso encerrar as centrais termoeléctricas de Sines e do Pego, que funcionam a carvão.

Para o médio prazo, o guião para o país é o Roteiro Nacional de Baixo Carbono, aprovado em 2010. Segundo este plano, é possível chegar a 2050 com 50 a 60% menos emissões do que em 1990 e com uma dependência energética do exterior na ordem dos 50%, contra mais 70% agora.

Um dos maiores desafios está nos automóveis. Os quase seis milhões que estão em circulação no país sorvem atualmente 42% de todo o petróleo que Portugal importa, segundo os dados mais recentes da Direcção-Geral de Energia e Geologia. Outros 35% vão para fora do país, metade sob a forma de gasolina e gasóleo exportados, produzindo CO2 noutros países. O carro elétrico, neste momento, é a solução que parece mais viável para resolver este voraz apetite.

Fonte: Público

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.