Debate: “Veneno e Fauna Selvagem”

Ambiente, Blog, Ecossistemas, Espécies, Fauna, Monitorização de Sistemas Ecológicos, Sistemas ecológicosComentários fechados em Debate: “Veneno e Fauna Selvagem”302

A SPEA – Sociedade Portuguesa para o estudo das aves em colaboração com a LPN – Liga para a proteção da natureza, organizou um debate sobre a temática “Envenenamento na Fauna Selvagem”.

Este iniciativa permitiu que várias organizações de defesa do ambiente e entidades envolvidas na regulamentação, fiscalização e investigação destes casos partilhassem os mais recentes avanços no combate ao uso ilegal de venenos.

O debate decorreu no dia 24 de janeiro, no Auditório da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, das 17h às 19h.

A participação neste debate público gratuito, contou ainda com o apoio do Grupo Lobo, uma associação não-governamental de ambiente (ONGA) cujas áreas de atuação visam a informação da opinião pública, o apoio a estudos científicos e a promoção de medidas práticas de conservação.

Segundo um comunicado da SPEA, “apesar de ser ilegal há décadas, o veneno ainda mata animais selvagens e domésticos em Portugal. Além de serem um perigo para o ecossistema, os venenos agravam a situação de espécies ameaçadas e protegidas, como atestam os casos recentes de britangos e águias-imperiais envenenados”.

A ameaça dos venenos é também uma grande ameaça para espécies protegidas como o lince-ibérico, o lobo-ibérico e o abutre-preto. A ocorrência de casos estende-se por todo o território nacional mas com maior incidência, no caso da fauna selvagem, nas regiões interiores.

Por que razão se espalham venenos?

Ricardo Brandão, médico veterinário coordenador do CERVAS (Centro de Ecologia, Recuperação e Vigilância de Animais Selvagens), explica que “nas zonas onde há carnívoros, como o lobo-ibérico, o veneno é uma perseguição direta para proteger o gado. Em alguma zonas, é mais pela gestão cinegética e os iscos são colocados para matar raposas e sacarrabos”.

Entre as medidas para tentar travar e investigar esta ameaça conta-se a criação de equipas cinotécnicas do SEPNA – Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente , em que agentes e cães-polícia se especializaram na deteção de venenos.

Intervenientes presentes no debate:

  1. Tenente Luís Filipe Rodrigues Pires, do Grupo de Intervenção Cinotécnica/Unidade de Intervenção da GNR
  2. Domingos Leitão, Diretor Executivo da SPEA
  3. Eugénio Sequeira, Presidente da LPN
  4. Professor Francisco Petrucci-Fonseca, Presidente Grupo Lobo
  5. João Loureiro, Chefe da Divisão de Gestão de Espécies da Fauna e da Flora, ICNF – Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas
  6. Ricardo Brandão, veterinário do Centro de Ecologia, Recuperação e Vigilância de Animais Selvagens (CERVAS)
  7. David de la Bodega, coordenador do projeto Life Nature Guardians, Sociedade Española de Ornitologia (SEO/BirdLife)

Moderadora: Inês Sequeira, jornalista da Wilder


A NOCTULA – Consultores em Ambiente realiza várias monitorizações ambientais, nomeadamente Monitorização de Sistemas Ecológicos:

  1. Fito e Zooplâncton
  2. Flora, Vegetação e Habitats
  3. Invertebrados
  4. Herpetofauna (anfíbios e répteis)
  5. Aves
  6. Mamíferos voadores – quirópteros (morcegos)
  7. Mamíferos terrestres
  8. Mamíferos marinhos

Para além da monitorização de Sistemas Ecológicos, a nossa equipa elabora e implementa planos de gestão para espécies específicas de fauna e flora e medidas de minimização e compensatórias de impactes sobre as mesmas.

Caso necessite de algum serviço na área da Monitorização de Sistemas Ecológicos, não hesite em contactar-nos: 232 436 000 ou através do email: info@noctula.pt.


Fonte: SPEA

Related Posts