Foi aprovado em Conselho de Ministros o novo Regime Jurídico dos Instrumentos de Gestão Territorial - RJIGT, através do Decreto-Lei n.º 80/2015.

Regime Jurídico dos Instrumentos de Gestão Territorial

Blog, Legislação AmbientalComentários fechados em Regime Jurídico dos Instrumentos de Gestão Territorial1756

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInBuffer this pagePin on PinterestTweet about this on TwitterEmail this to someone

Regime Jurídico dos Instrumentos de Gestão Territorial – RJIGT, rege-se segundo o Decreto-Lei n.º 80/2015.

O Decreto-Lei n.º 80/2015 desenvolve as bases da política pública de solos, de ordenamento do território e de urbanismo, definindo o regime de coordenação dos âmbitos nacional, regional, intermunicipal e municipal do sistema de gestão territorial, o regime geral de uso do solo e o regime de elaboração, aprovação, execução e avaliação dos instrumentos de gestão territorial.

Foi aprovado em Conselho de Ministros o novo Regime Jurídico dos Instrumentos de Gestão Territorial - RJIGT, através do Decreto-Lei n.º 80/2015.

O novo Regime Jurídico dos Instrumentos de Gestão Territorial, comete às comissões de coordenação e desenvolvimento regional a elaboração de um único parecer final que vincula toda a administração central. Prevê também a disponibilização de uma plataforma eletrónica para efeitos de acompanhamento dos procedimentos de elaboração, alteração ou revisão dos planos diretores municipais, garantindo uma maior eficiência dos serviços, impondo procedimentos desmaterializados e do conhecimento automático de todos os intervenientes.

Foi aprovado em Conselho de Ministros o novo Regime Jurídico dos Instrumentos de Gestão Territorial - RJIGT, através do Decreto-Lei n.º 80/2015.

“Passa a haver apenas duas classes, de solo rústico e solo urbano, e deixa de existir a classe de solo urbanizável. Na prática, estamos a limitar a expansão urbana e a expectativa de urbanizar, criando – portanto – mais capacidade para reabilitar”, afirmou o Ministro do Ambiente, Jorge Moreira da Silva, ressalvando que “esta decisão de erradicação do solo urbanizável tem um regime transitório que, obviamente, salvaguarda os direitos dos cidadãos, mas não perpetua a expectativa de urbanização”.

“Com este novo regime jurídico, o Plano Diretor Municipal passa a ser mais dinâmico e programático e, em regra, a alteração dos usos do solo será feita por plano de pormenor e plano de urbanização, e não pela revisão do PDM”, refere o Ministro.


A NOCTULA – Consultores em Ambiente foi responsável pela Avaliação Ambiental Estratégica (AAE) no âmbito da alteração do Plano Diretor Municipal (PDM) de um município no norte de Portugal.

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInBuffer this pagePin on PinterestTweet about this on TwitterEmail this to someone

Related Posts