fbpx

50% de espécies podem estar em vias de extinção devido às alterações climáticas

No mês de Março milhões de pessoas em todo o mundo participam na Hora do Planeta, para demonstrar o seu compromisso de proteger a biodiversidade do planeta.

Em 2018 foi publicado na revista Climatic Change, um estudo que afirma que as alterações climáticas colocam em risco de extinção metade das espécies de plantas e animais existentes nas áreas naturais mais importantes do mundo, como a Amazónia e as Galápagos.

Angela Morgado, da World Wide Fund for Nature (WWF),  afirma que a “base da vida na terra como a conhecemos, a biodiversidade que nos sustenta a todos, está a desaparecer. É importante que todos assumamos um compromisso com o nosso Planeta e façamos mudanças no nosso dia-a-dia que ajudarão a assegurar um futuro para todos. Esta foi a mensagem principal da Hora do Planeta em 2018”.

O recente estudo intitulado de “Wildlife in a warming world – the effects of climate change on biodiversity in WWF’s priority places” foi desenvolvido pela Universidade de East Anglia, a Universidade James Cook e a WWF.

Para a elaboração deste estudoos investigadores examinaram o impacto das alterações climáticas em quase 80 mil espécies de plantas e animais, em 35 das áreas mais diversas e naturalmente ricas em vida selvagem do mundo.

O estudo explora vários cenários futuros com diferentes variáveis climáticas. Cenários como:

  •  o aumento da temperatura glogal em 4,5°C;
  • ou o aumento de 2°C, o limite superior de temperatura no Acordo de Paris.

 

Uma das conclusões apresentadas indica que mesmo que o objetivo de 2°C estabelecido no Acordo de Paris seja atingido, esses lugares podem perder 25% das suas espécies.

O relatório conclui ainda que as florestas do Miombo,  o sudoeste da Austrália e as Guianas da Amazónia serão as áreas mais afetadas. Se houver um aumento médio global da temperatura de 4,5°C, os climas nessas áreas irão tornar-se inadequados para a maioria das plantas e animais que ali habitam, podendo levar, por exemplo:

–  à extinção de 90% dos anfíbios, 86% das aves e 80% dos mamíferos nas florestas de Miombo – África do Sul;

– à extinção de 69% das suas espécies de plantas na Amazónia;

– à extinção de 89% dos anfíbios, no sudoeste da Austrália;

– à extinção de 60% de todas as espécies localizadas em Madagáscar.

Com o aumento de temperatura média global de 2°C e, caso as espécies se possam movimentar livremente para novos locais, o risco de extinção local diminui de cerca de 25% para 20%. Se estes fatores não se verificarem, as espécies podem não poder sobreviver, uma vez, que a maioria das plantas, anfíbios e répteis, como orquídeas, sapos e lagartos não podem se movimentar rapidamente para acompanhar estas mudanças climáticas.

Lobo (Canis lupus)

O investigador Rachel Warren, do Centro Tyndall de Pesquisa sobre Mudanças Climáticas da UEA, explicou que esta “pesquisa quantifica os benefícios de limitar o aquecimento global a 2°C, em 35 das áreas mais ricas em vida selvagem do mundo. Estudámos 80 mil espécies de plantas, mamíferos, aves, répteis e anfíbios e descobrimos que 50% das espécies podem ser extintas nessas áreas, sem uma política climática assertiva. No entanto, se o aquecimento global for limitado a 2°C acima dos níveis pré-industriais, isso poderá ser reduzido para 25%. Limitar o aquecimento até 1,5°C não foi explorado, mas é esperado que proteja ainda mais os animais selvagens”.

Em geral, a pesquisa mostra que a melhor maneira de lutar contra a perda de espécies é manter o aumento da temperatura global o mais baixo possível.

Reduzir as perdas de biodiversidade – Outras soluções

Além da redução das emissões de gases com efeito de estufa, o estudo defende igualmente outras soluções para reduzir as perdas de biodiversidade, como por exemplo:

  • Ajudar as espécies a migrar para novos territórios com mais condições de vida. Isto pode ser feito com a criação de corredores ecológicos entre áreas protegidas.
  •  Translocação das espécies que não se conseguem movimentar tão rapidamente quanto o necessário (como as orquídeas, anfíbios e répteis).

 

Stephen Cornelius, conselheiro da WWF Internacional para as questões climáticas, afirma que “a mitigação faz uma grande diferença na conservação e preservação da biodiversidade do planeta. Mas mesmo isso, pode não ser suficiente para muitas espécies.”

 

Leia ainda os artigos:

 

Fontes: wilderworldwildlife

Imagem de destaque: Pixabay

A NOCTULA – Consultores em Ambiente realiza várias monitorizações ambientais, nomeadamente Monitorização de Sistemas Ecológicos:

  1. Fito e Zooplâncton
  2. Flora, Vegetação e Habitats
  3. Invertebrados
  4. Herpetofauna (anfíbios e répteis)
  5. Aves
  6. Mamíferos voadores – quirópteros (morcegos)
  7. Mamíferos terrestres
  8. Mamíferos marinhos

 

Para além da monitorização de Sistemas Ecológicos, também elaboramos e implementamos planos de gestão para espécies específicas de fauna e floramedidas de minimização e compensatórias de impactes sobre as mesmas.

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.