fbpx

Ferrock – o cimento que absorve CO2

O químico ambiental David Stone, da University of Arizona, criou um potencial substituto para o cimento, que necessita de muito menos energia para ser produzido, chamou-lhe Ferrock.

O cimento é considerado a fundação da civilização moderna, é o material que sustenta vias de comunicação, pontes e edifícios de todos os tamanhos. No entanto, uma das desvantagens do cimento é que tem uma grande pegada de carbono, ou seja, tem um grande impacte ambiental.

O químico ambiental David Stone criou um potencial substituto para o cimento, que necessita de muito menos energia para ser produzido, chamou-lhe Ferrock.

Segundo uma entrevista de David Stone à estação televisiva americana PBS, o produto semelhante ao cimento foi criado em laboratório por acidente, enquanto fazia experiências com ferro. A ideia era impedir que o metal enferrujasse e endurecesse, mas aconteceu algo diferente: “Começou a borbulhar e a respingar. E pensei, bem, isto não resultou. No dia seguinte, quando cheguei, fui ver o material ao lixo. Percebi que ele não estava apenas duro: ficou muito duro, como um metal vítreo”, explicou o cientista ambiental.

Os metais vítreos (ou amorfos) têm uma estrutura semelhante ao vidro, que, na verdade, os tornam mais rígidos e menos frágeis que metais comuns.

Por ano, 4 mil milhões de toneladas de cimento são produzidas para fazer betão (cimento, água, areia/gravilha). Por cada tonelada de cimento produzido, cerca de uma tonelada de dióxido de carbono é libertado para a atmosfera.

O químico ambiental David Stone criou um potencial substituto para o cimento, que necessita de muito menos energia para ser produzido, chamou-lhe Ferrock.

Como se forma o Ferrock – cimento que absorve CO2?

O Ferrock é feito a partir de resíduos de indústrias de siderurgia (pó de aço), que normalmente não são reciclados, e sílica, obtida de vidro moído.

Essa mistura de produtos químicos absorve CO2 da atmosfera e aprisiona-o, como explica a Universidade do Arizona: “O Ferrock só endurece quando exposto a altas concentrações de dióxido de carbono, que é absorvido e preso, fazendo com que este material seja “carbono negativo”. Este gás com efeito de estufa espalha-se na mistura húmida e reage com o ferro, criando carbonato de ferro e tornando-se parte da matriz mineral do material.”

“Além disso, o material resiste melhor que o cimento a fraturas e quebras. Como o material endurece à medida que o pó de ferro enferruja, pode ser usado em água salgada e outros ambientes corrosivos. E não requer o mesmo processo de produção do cimento, que consome muito calor.”

Veja a entrevista a David Stone, na PBS:

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.