fbpx

Península Ibérica e França em cimeira sobre ligações energéticas

Portugal agendou uma cimeira para Fevereiro em Madrid, com França e Espanha, com a finalidade de discutir o tema das ligações energéticas da Península Ibérica com França.

Um dos objetivos da cimeira de Madrid será Portugal, Espanha e França acertarem entre si uma estratégia em torno de projetos de interconexões que possam beneficiar do “plano Juncker” (plano do atual presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker) com vista ao próximo Conselho Europeu, de Março, que dará seguimento à cimeira de Novembro.

Em Outubro de 2014, Portugal aceitou um acordo que estabeleceu as metas “indicativas” para a construção de estruturas de transporte de energia que, quando estiverem concluídas, vão permitir ao país ser um exportador “para toda a Europa”.

Até aqui, tem existido um cenário de estrangulamento da rede, na fronteira da península ibérica com França. Atualmente a Península Ibérica é considerada uma ‘ilha energética’ devido às baixas interconexões existentes (apenas 1,5% da capacidade instalada). A ligação energética das redes permitiria o transporte de eletricidade e gás para o resto da Europa.

“Assumiu-se um objetivo” para o aumento das estruturas de transporte de energia, nas interligações da Península Ibérica com França “de 10% até 2020 e de 15% até 2030”, adiantou o então presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, desvalorizando o facto de se tratarem de metas indicativas.

Atualização:

“Chegámos a um entendimento entre os três países, com um envolvimento grande da Comissão Europeia”, disse no final da cimeira Pedro Passos Coelho, que foi acompanhado pelo Ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, Jorge Moreira da Silva.

Em comunicado, o governo afirma que os três países assinaram uma declaração na qual se comprometem a trabalhar em conjunto para que Portugal e Espanha deixem de ser uma “ilha do ponto de vista energético”, isolada do resto da Europa, devido à falta de ligações com a França, e, também, à geografia. Portugal e Espanha seriam então exportadores de energia para a rede europeia.

Os três países concordaram em “diversificar as fontes e as rotas de abastecimento” de gás, que permitiriam reduzir a incerteza e a dependência do fornecimento do leste da Europa.

Portugal e Espanha recebem gás por via marítima ou por gasoduto do norte de África. O Primeiro-Ministro, acrescentou que “ganhamos em segurança de abastecimento e em poder de negociação com eventuais fornecedores”, uma vez que “existem muitos países excessivamente dependentes do gás proveniente da Rússia”.

Fontes: Dinheiro Vivo, Jornal de Negócios

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.