fbpx

Aprovados planos-piloto de prevenção de incêndios para 8 novas áreas protegidas

Foi aprovado em Conselho de Ministros, o alargamento dos planos-piloto de prevenção estrutural contra incêndios, que visam a implementação de medidas de restauro, conservação e valorização de habitats naturais em 8 novas áreas protegidas no território português.

Com o alargamento de áreas protegidas foi criada a 3ª geração de planos-piloto. O objetivo consiste em replicar, com as devidas adaptações, as medidas já aplicadas nos planos do Parque Nacional da Peneda Gerês, após os incêndios que o assolaram em 2016, e dos planos definidos para o Parque Natural do Douro Internacional e o Monumento Natural de Ródão, atingidos por incêndios em 2017.

O alargamento dos planos-piloto abrangem as seguintes áreas protegidas:

A maioria destas zonas fazem parte da Rede Nacional de Áreas Protegidas e integra também a Rede Natura 2000.

O ministro do Ambiente João Matos Fernandes, declarou que “os resultados obtidos (com os planos anteriores) são excecionais. A área ardida nos cinco territórios que têm projeto piloto ativo, teve uma redução de 98%”. 

O alargamento das áreas protegidas, vem também em consequência dos bons resultados obtidos com as intervenções de caráter preventivo em 3 outras áreas que incluem os Parques Naturais do Tejo Internacional e de Montesinho e a Reserva Natural da Serra da Malcata.

Os planos-piloto anteriormente implementados (e ainda em execução), preconizaram um conjunto de medidas, que se têm revelado as mais adequadas aos objetivos estabelecidos de restauro de habitats naturais percorridos por incêndios e de prevenção estrutural, diminuindo, consideravelmente, o risco de incêndio e a afetação de habitats e espécies.

A estas razões acresce o facto de a Estratégia Nacional de Conservação da Natureza e Biodiversidade 2030 (ENCNB 2030), aprovada pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 55/2018, de 7 de maio, apontar para a adoção de uma nova forma de gestão das áreas protegidas, mais ativa, colaborativa, participativa e de maior proximidade.

Parque Nacional da Peneda Gerês | Fonte: flickr

O ministro afirma que a introdução destes planos, passam sobretudo pela “prevenção estrutural contra incêndios, que, numa área protegida, é muito mais do que limpar mato e fazer linhas de defesa primária”.

Principais objetivos
  • Determinar as medidas a executar no âmbito da gestão de riscos e da defesa da floresta contra incêndios;
  • Recuperar os habitats originais, restaurando áreas florestais relevantes para a conservação, que foram percorridas por incêndios;
  • Promover a prevenção estrutural e o ordenamento florestal para áreas florestais que configuram habitats naturais prioritários;
  • Reforçar os meios humanos e materiais para a prevenção estrutural (combate a incêndios e rescaldo);
  • Informar e envolver ativamente a população residente e os agentes locais na implementação do plano, enquanto seus beneficiários.

 

A responsabilidade de concretização destes planos-piloto cabe ao ICNF – Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas, com o apoio dos municípios que integram as respetivas áreas protegidas.

Fontes: Ambiente Magazine, DRE

Imagem de destaque: Retirada da plataforma flickr.

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.