fbpx

Portugal diminuiu em 9% emissões de CO2 em 2018

De acordo com os dados recentes do Eurostat, em 2018 as emissões de dióxido de carbono (CO2) provenientes da combustão de combustíveis fósseis diminuiu 2,5% na União Europeia (UE), quando comparado com o ano anterior.

Portugal lidera a tabela com uma quebra de 9% das emissões de CO2.

O Eurostat destaca ainda que as importações e exportações de produtos energéticos têm impacto nas emissões de dióxido de carbono no país onde os combustíveis fósseis são processados. Por exemplo, se o carvão é importado existe um aumento das emissões, enquanto que se a eletricidade for importada, não tem qualquer efeito direto nas emissões do país importador.

As emissões de CO2 representam cerca de 80% do total de gases com efeito de estufa na UE.

São influenciadas por fatores:

  • condições climáticas;
  • crescimento económico;
  • dimensão da população;
  • transportes;
  • atividades industriais.

 

Principais resultados divulgados pelo Eurostat:

Segundo as estimativas do Eurostat, em 2018, as emissões de CO2 caíram na maioria dos Estados Membros da UE, com as maiores descidas a ocorrerem em:

  • Portugal (-9%)
  • Bulgária (-8,1%)
  • Irlanda (-6,8%)
  • Alemanha (-5,4%)
  • Holanda (-4,6%)
  • Croácia (-4,3%)

 

Verificou-se ainda um aumento em oito Estados Membros:

  • Letónia (+8,5%)
  • Malta (+6,7%)
  • Estónia (+4,5%)
  • Luxemburgo (+3,7%)
  • Polónia (+3,5%)
  • Eslováquia (+2,4%)
  • Finlândia (+1,9%)
  • Lituânia (+0,6%)

 

Os oito países com subidas nas emissões têm um peso total de 13,9% no conjunto da UE.

 

Para o ministro do Ambiente, “a redução de emissões de dióxido de carbono conseguida por Portugal é o resultado de políticas aplicadas” e defende que quem “seguir esse caminho terá ganhos ambientais, mas também económicos”.

As emissões de CO2 aumentaram à escala global em 2018.

Na União Europeia, Portugal tem um peso de apenas 1,4% nas emissões. 

Em 2018, 55,3% da eletricidade teve como principal fonte as energias renováveis, dividida entre as energia hídrica e a energia eólica.

No âmbito de uma Cimeira Europeia que decorreu em Sibiu, na Roménia, Portugal e outros 7 países da UE fizeram um apelo no sentido de tornar mais urgente a luta contra o aquecimento global, defendendo que:

  • cerca de 25% das despesas do Orçamento Europeu sejam para projetos destinados na luta contra as alterações climáticas;
  • o Banco Europeu de Investimentos (BEI) priorize projetos de investimento “verde”.

“Devido à sua importância fundamental para o futuro da Europa, como desafio e como oportunidade, a luta contra as alterações climáticas deve ser a pedra angular da agenda estratégica europeia para o período 2019-2024”.

*(Texto assinado por Portugal,  Bélgica, Dinamarca, Espanha, França, Luxemburgo, Holanda e Suécia). 

NOCTULA – Consultores em Ambiente presta diversos serviços para o setor das Energias Renováveis, em todas as áreas de intervenção:

  • Pedido de Enquadramento no Procedimento de Avaliação de Impacte Ambiental (AIA);
  • Estudos relacionados com os procedimentos de Avaliação de Impactes (EIA) e Incidências Ambientais (EIncA);
  • Relatórios de Conformidade Ambiental do Projeto de Execução (RECAPE);
  • Elaboração e Implementação de Medidas Minimizadoras e Compensatórias.

 

Caso necessite de algum serviço nestas áreas, não hesite em contactar-nos: 232 436 000 ou através do email: info@noctula.pt.

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.