fbpx

Novo Protocolo de Atuação reforça luta contra o envenenamento de animais selvagens

Foi apresentado o novo Protocolo de Atuação desenvolvido no âmbito do Programa Antídoto Portugal, que restabelece os procedimentos a executar nos casos em que são encontrados, em meio natural, animais selvagens, mortos ou feridos, com suspeita de uso de substâncias tóxicas.

A prática de utilização de venenos constitui uma importante ameaça à conservação de algumas espécies de fauna selvagem, com particular destaque para aves de rapina de hábitos necrófitos (Ex: Águia – Imperial, Abutre-preto, Britango, Milhafre-real), e para mamíferos como o Lobo-Ibérico e Lince-Ibérico.

O veneno é  uma das maiores causas de mortalidade não naturais de espécies selvagens. 

O Programa Antídoto Portugal é uma plataforma contra o uso ilegal de venenos, constituída por várias entidades públicas e privadas portuguesas e que teve início oficial a 4 de Março de 2004. Este programa pretende combater as diversas formas de utilização indevida de substâncias tóxicas e contribuir para um melhor conhecimento sobre as consequências que essas práticas representam para a fauna selvagem.

No últimos anos, a continuação da prática de envenenamento de espécies de fauna e algumas fragilidades processuais, exigiu que se procedesse a uma revisão global do “Protocolo de Atuação”, com o objetivo de melhorar a sua operacionalidade.

Para a implementação do novo programa de atuação, foi estabelecido um Acordo de Parceria entre 9 entidades intervenientes e atribuídas as suas respetivas competências.

Entidades e Competências 
Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF)

Entidade com competência para assegurar a execução das ações que visem a conservação da natureza e a gestão sustentável das espécies da fauna selvagem e seus habitats.

– Procuradoria-Geral da República

Tem como competências, emitir diretivas, ordens e instruções, para além de dirigir, coordenar e fiscalizar a atividade do Ministério Público.

– Guarda Nacional Republicana (GNR)

Através do Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente e dos núcleos de Investigação Criminal, é a policia ambiental nacional que tem como competências vigiar, fiscalizar, noticiar e investigar todas as infrações à legislação de conservação e proteção da natureza, do ambiente e do património natural.

– Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária

Entidade de Investigação científica com competência para a realização de exames periciais.

– Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade de Lisboa

Instituição com competências nas áreas de Anatomia Patológica e Toxicologia.

– Univ. de Évora (Hospital Veterinário e Escola de Ciência e Tecnologia)

Instituição com competências na área de patologia veterinária.

– Laboratório de Histologia e Anatomia Patológica da UTAD

Laboratório com competências para a realização de exames periciais necrópsicos.

Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza

Organização não governamental de ambiente responsável pela gestão do Centro de Estudos e Recuperação de Animais Selvagens de Castelo Branco (CERAS), que integra a Rede Nacional de Centros de Recuperação de Fauna Selvagem.

Aldeia

Associação responsável pela gestão do Centro de Ecologia, Recuperação e Vigilância de Animais Selvagens (CERVAS) e do Centro de Recuperação  e Investigação de Animais Selvagens da Ria Formosa (RIAS), que integra a Rede Nacional de Centros de Recuperação de Fauna Selvagem.

Através deste Acordo foi ainda formalizada a criação da “Rede Nacional de Centros de Necropsia e Toxicologia”, composta por 8 centros que farão as necropsias aos animais selvagens envenenados e por 2 laboratórios de toxicologia, que irão determinar quais os tóxicos usados. Estas informações e as provas recolhidas no terreno por elementos da GNR, serão cruciais para o trabalho posterior do Ministério Público, para aplicar a respetiva legislação.

Uma das principais alterações do novo programa é a maior articulação entre as entidades responsáveis. O Presidente do Conselho Diretivo do ICNF, Rogério Rodrigues, afirmou que “este protocolo define de forma mais clara a responsabilidade de cada entidade”. Acrescentou ainda que por outro lado, “todos os procedimentos são melhorados, tornando-nos mais apetrechados para travar o problema dos iscos envenenados”.

Samuel Infante, conservacionista da Quercus e uma das pessoas responsáveis pela criação do Programa Antídoto Portugal, explicou que “este acordo é um sinal muito positivo” (…) mas que ainda há “muito trabalho pela frente, como por exemplo quanto à atualização dos números de animais selvagens envenenados”.

Estima-se que apenas 10% dos animais vítimas dos iscos envenenados sejam detetados. Rogério Rodrigues do ICNF considera que “o número real será muito superior”.

Joaquim Teodósio, responsável pelo Programa Terrestre da Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (Spea), considera que este protocolo estabelece um conjunto de estratégias e métodos coerentes a aplicar por todo o país. “A questão do envenenamento de animais selvagens é urgente. Legislação já há, o importante agora é conseguirmos aplicá-la da melhor forma.”

Fontes: ICNF, WilderPAP

Imagem de destaque: Flickr

A NOCTULA – Consultores em Ambiente realiza várias monitorizações ambientais, nomeadamente Monitorização de Sistemas Ecológicos:

 

Caso necessite de algum serviço na área da Monitorização de Sistemas Ecológicos, não hesite em contactar-nos: 232 436 000 ou através do email: info@noctula.pt.

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.