fbpx

Relatório do Estado do Ambiente 2018: Portugueses produzem cada vez mais lixo

Relatório do Estado do Ambiente 2018 (REA 2018), já se encontra disponível para consulta no Portal do Estado do Ambiente

Com o objetivo de disponibilizar a maior quantidade possível de dados atualizados, os anteriores relatórios têm vindo a ser publicados no final de cada ano civil, originando um desfasamento temporal de cerca de um ano entre a data da publicação dos dados e o período a que se referem.

Para atenuar esta disparidade, a publicação do REA de 2018 (com dados referentes a 2017), foi antecipado cerca de 6 meses. Divulgado no Dia Mundial do Ambiente –5 de junho, o REA apresenta-se como um instrumento fundamental no apoio à definição, execução e avaliação das políticas de ambiente, sendo também uma fonte de informação de referência em vários setores do ambiente.

Sendo publicada apenas 5 meses após o último relatório (Relatório do Estado do Ambiente 2017), a edição de 2018, será excecionalmente mais curta, contendo apenas os indicadores em que foi possível proceder à atualização dos dados desde a última edição.

Dos 51 indicadores disponíveis, a edição de 2018, atualizou 28 fichas temáticas de indicadores, organizadas em 8 domínios ambientais:

  • Economia e Ambiente;
  • Energia e Clima;
  • Transportes;
  • Ar;
  • Água;
  • Solo e Biodiversidade;
  • Resíduos;
  • Riscos Ambientais.

 

Como complemento às fichas de indicadores, o REA 2018 inclui ainda 7 infografias, que contemplam temas ambientais tão diversos como:

  • a Economia Circular;
  • as Alterações Climáticas;
  • a Mobilidade Suave;
  • a Saúde e Ambiente;
  • a Estratégia Nacional de Combate ao Desperdício Alimentar;
  • a Estratégia Nacional de Conservação da Natureza e Biodiversidade (ENCNB 2030);
  • Estratégia Nacional de Educação Ambiental (ENEA 2020).

 

Economia e Ambiente

Um indicador indireto de atividade económica diz respeito aos processos de avaliação de impacte ambiental, que passaram de 202, em 2008, para 58, em 2017 (menos 3 do que no ano anterior), o que reflete uma tendência decrescente do número de processos de avaliação ao longo dos últimos anos.

Por outro lado, entre junho de 2007 e dezembro de 2017, deram entrada na APA (Agência Portuguesa do Ambiente), cerca de 690 procedimentos de Avaliação Ambiental Estratégica.

A indústria extrativa foi o setor que apresentou mais projetos submetidos a estudos de impacte. Relativamente à decisão, verifica-se que a grande maioria das decisões são de carácter favorável condicionado e apenas 5% culminam numa decisão desfavorável.

Energia e Clima

Neste domínio, constata-se que, no que diz respeito às energias renováveis, Portugal apresentou em 2016, 28,5% de incorporação de renováveis no consumo final bruto de energia. Este valor supera a trajetória indicativa prevista e faz com que Portugal tenha já alcançado em 2016, 91,9% da sua meta para 2020.

Relativamente à energia elétrica produzida com base em fontes de energia renovável (FER), assistiu-se a uma diminuição em 2017, devido à seca ocorrida nesse ano, que levou a uma forte quebra na produção hídrica. A produção de eletricidade a partir de FER situou-se nos 45,5%.

No que diz respeito às emissões de gases com efeito de estufa (GEE), estima-se que em 2016 tenha sido atingido um total de 67,8 milhões de toneladas de CO2 equivalente de emissões de GEE, excluindo o uso do solo, alterações de uso do solo e florestas.

À semelhança dos anos anteriores, o setor da energia foi o que mais contribuiu para este total em 2016 (70%), sendo a produção e transformação de energia e os transportes os subsetores com maior relevância (26% e 25% do total, respetivamente).

Transportes

O setor dos transportes é o terceiro mais intensivo em energia. A incorporação de energia renovável neste setor atingiu os 7,5% em 2016, um valor ligeiramente superior ao da média da UE-28 (7,1%).

Ar

Constata-se, no que diz respeito à qualidade do ar, que nos últimos anos a classe predominante do índice da qualidade do ar (IQAr) tem sido “Bom”, tendência que se manteve em 2017.

Uma vez mais, foram os setores da indústria e dos transportes os que mais contribuíram para a formação do ozono na troposfera, com respetivamente 44% e 30% em 2016.

Água

No domínio da água, a avaliação das disponibilidades hídricas superficiais durante o ano hidrológico 2017/2018, permite afirmar que, no Norte e no Centro de Portugal continental, o armazenamento hídrico superficial (albufeiras) foi, até fevereiro, inferior à média, enquanto no Sul o armazenamento observado, também inferior à média, divergiu muito desta a partir do mês de novembro, o que agravou fortemente o estado de seca observado.  No entanto no final de março de 2018 todas as albufeiras continentais, exceto Oeste e Sado, tinham volumes de armazenamento acima dos 60%.

Já as disponibilidades hídricas subterrâneas, apresentavam em abril de 2018, níveis superiores às médias mensais.

Solo e Biodiversidade

O domínio do Solo e biodiversidade revela o interesse da população pela conservação e utilização sustentável da biodiversidade, que se manifesta no aumento consistente do número total de visitantes nas áreas protegidas, que ascendeu a 420 915 em 2017 (+23% do que no ano anterior).

Em Portugal, a Rede Natura 2000 é composta por 107 áreas designadas no âmbito da Diretiva Habitats e 62 Zonas de Proteção Especial designadas no âmbito da Diretiva Aves, distribuídas pelo Continente e Regiões Autónomas. No total, esta Rede abrange cerca de 22% da área terrestre e cerca de 39 000 Km2 de área marinha. Existem ainda 28 áreas classificadas ao abrigo de compromissos internacionais em território nacional.

Resíduos

No setor dos resíduos assistimos a um período de redução da produção de resíduos urbanos no início desta década.

Porém, desde 2014 que a produção tem vindo a aumentar, cifrando-se, em Portugal continental, nos 4,75 milhões de toneladas em 2017 (+2,3% face a 2016), o que corresponde a uma produção diária de 1,32 kg por habitante.

Em 2017 a taxa de preparação para reutilização e reciclagem de resíduos urbanos foi de 38% (dados provisórios), o que representa um valor igual ao de 2016. A deposição de resíduos urbanos biodegradáveis em aterro foi de 43%, o que representa um incremento de 2 p.p. face aos valores de 2016.

Riscos ambientais

No domínio dos riscos ambientais, a ficha temática seca avalia a ocorrência de períodos de redução da disponibilidade de água, considerando diferentes definições de seca:

  • meteorológica,
  • agrícola,
  • agrometeorológica
  •  hidrológica.

 

No final do mês de março de 2018 terminou a situação de seca meteorológica em Portugal Continental que chegou a registar, em outubro de 2017, 100% do território em seca severa ou extrema.

Em termos de monitorização da seca hidrológica, no fim de março de 2018, das 60 albufeiras monitorizadas, 32 apresentavam disponibilidades hídricas superiores a 80% do volume total e três tinham disponibilidades inferiores a 40% do volume total. No mês de abril, e atendendo à precipitação ocorrida, que permitiu uma recarga efetiva das massas de água, houve uma subida significativa e generalizada dos níveis de água subterrânea para valores superiores às médias mensais.

Pode consultar o relatório completo aqui. As infografias encontram-se aqui.

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.