fbpx

Solo é responsável pelas alterações climáticas

O solo é um importante, e muitas vezes negligenciado, elemento do sistema climático, é a segunda maior reserva de carbono do planeta, depois dos oceanos. Dependendo da região, as alterações climáticas podem fazer com que mais carbono seja armazenado nas plantas e no solo, devido ao crescimento da vegetação, ou que mais carbono seja libertado para a atmosfera. A restauração de ecossistemas importantes, e uma utilização sustentável dos terrenos em áreas urbanas e rurais, são fatores que podem ajudar na mitigação e a adaptação às alterações climáticas.

Como se forma o solo?

como se forma o solo

 

Quais as funções do solo?

Os solos são essenciais para a sociedade humana, tal como o ar e a água. No entanto, a degradação dos solos não tem recebido tanta atenção como as ameaças aos outros elementos. Os solos são a base de 90% da alimentação humana, alimentação para o gado, fibras e combustíveis. Suportam comunidades e fornecem matérias-primas e águas subterrâneas.

 

O que está a degradar os solos?

Os principais problemas relativos aos solos na Europa incluem:

  • perda da camada superior do solo devido à erosão;
  • atividades de construção;
  • contaminação;
  • acidificação.
Solos e as Alterações Climáticas

As alterações climáticas são muitas vezes associadas com algo que acontece na atmosfera. Afinal, quando as plantas fazem a fotossíntese, absorvem dióxido de carbono da atmosfera. No entanto, o carbono atmosférico também afeta o solo, porque o que não é utilizado no crescimento da parte superior das plantas é distribuído pelas suas raízes, depositando carbono no solo. Se não for “perturbado”, este carbono pode manter-se estável e permanecer no solo durante milhares de anos. Deste modo, pode dizer-se que solos saudáveis mitigam as alterações climáticas.

No que respeita à absorção de carbono, nem todos os solos são iguais. Os mais ricos em carbono são as turfeiras, encontrados principalmente no norte da Europa, Reino Unido e Irlanda. Os prados também armazenam uma grande quantidade de carbono por hectare. Em contraste, os solos de áreas quentes e secas, no sul da Europa, por exemplo, contêm menos carbono.

Em algumas partes da Europa, temperaturas mais altas podem levar a um aumento da vegetação e portanto a um aumento do armazenamento de carbono no solo. No entanto, um aumento de temperatura pode também provocar um aumento na decomposição e mineralização da matéria orgânica nos solos, reduzindo o carbono.

Em outras áreas, a matéria orgânica que se encontra estável em turfeiras é impedida de se decompor devido aos baixos níveis de oxigénio. Se essas áreas secarem, a matéria orgânica pode rapidamente degradar-se, libertando dióxido de carbono para a atmosfera.

O aumento da concentração de dióxido de carbono na atmosfera pode fazer com que os micróbios no solo trabalhem mais depressa para degradar a matéria orgânica, potenciando a libertação de ainda mais dióxido de carbono. A libertação de gases com efeito de estufa a partir dos solos espera-se que seja particularmente substancial no extremo norte da Europa e na Rússia, onde o descongelamento do permafrost pode libertar grandes quantidades de metano, um gás com efeito de estufa muito mais potente do que o dióxido de carbono.

Ainda não é claro qual poderá ser o efeito global desta situação, porque diferentes regiões absorvem e emitem diferentes quantidades de gases com efeito de estufa. Mas há um risco claro de que um clima mais quente pode levar a que o solo liberte mais gases com efeito de estufa, que podem consequentemente aumentar a temperatura, num círculo vicioso.

Existem evidências recentes que defendem que restaurar alguns ecossistemas pode realmente ajudar na captação do carbono da atmosfera. Por exemplo, a restauração de turfeiras demonstrou ser uma resposta bem sucedida para a perda de carbono orgânico que resulta da exploração de turfa para a produção de energia. A maneira mais rápida de aumentar o carbono orgânico no solo é converter terras aráveis em pastagens, de acordo com um estudo do Centro Comum de Investigação da Comissão Europeia.

Se geridos de forma correta, os solos podem ajudar a reduzir a concentração dos gases com efeito estufa e na adaptação aos piores efeitos das alterações climáticas.

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.