Gestão de Resíduos Urbanos: Metas ambiciosas até 2035

Ambiente, Blog, Reciclagem, ResíduosComentários fechados em Gestão de Resíduos Urbanos: Metas ambiciosas até 2035246

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestBuffer this pageEmail this to someone

A passagem de uma economia linear, em que produzimos, consumimos e geramos lixo, para uma economia circular, onde após o ato de consumo, voltamos a reutilizar, a reciclar ou reparar, exige metas de reciclagem cada vez mais ambiciosas.

No final do ano 2017, os membros da União Europeia e do Parlamento Europeu, chegaram a acordo para impor o objetivo de reciclagem obrigatória de resíduos urbanos, que deverá crescer gradualmente até atingir os 65% em 2035.

Apesar das novas metas necessitarem de ser formalmente aprovadas, os objetivos da UE para a reciclagem de resíduos urbanos propõe uma percentagem de 55% em 2025, 60% em 2030 e 65% em 2035. Também ficou acordado reduzir para 10% o desperdício urbano que acaba em aterros sanitários em 2035.

Segundo o último Relatório do estado do Ambiente (REA 2017), Portugal assistiu a um período de redução da produção de resíduos urbanos no início desta década, porém, desde 2014 que a produção tem vindo a aumentar, cifrando-se, em Portugal continental, nos 4,64 milhões de toneladas em 2016 (+2,6% face a 2015), o que corresponde a uma produção diária de 1,29 kg por habitante.

Em 2014, Portugal apenas reciclou 30% dos seus resíduos, bem abaixo da média europeia situada em 44%, e depositou quase metade de todos os resíduos em aterros (49% vs 28% de média UE).

O depósito em aterros é a opção mais barata mas é também a mais prejudicial para o ambiente e para a saúde humana. É por essa razão que se pretende promover a utilização de outras alternativas como a incineração ou, preferencialmente, a reciclagem, reutilização e reparação.

Por outro lado, embora a incineração seja uma melhor alternativa que o depósito em aterros, taxas altas de incineração podem levar a baixas taxas de reciclagem. Alguns países, como a Finlândia e a Dinamarca, possuem elevadas taxas de incineração porque a utilizam como uma forma de produzir energia.

Conheça as metas para todos os tipos de resíduos…

Relativamente às embalagens o acordo menciona valores de 65% em 2020 e 70% em 2030, um pouco menos ambicioso para o plástico, que fica pelos 50% e 55% respetivamente.

No que diz respeito ao papel ou cartão as percentagens focam-se nos 75% em 2020 e 85% em 2030. No caso do vidro os valores centram-se nos 70% e 75% respetivamente.

Já os resíduos de alumínio apresentam percentagens de 50% em 2020 e 60% em 2030. Quanto ao metal ferroso os valores estão nos 70% e 80% respetivamente.

Por outro lado, 30% das embalagens de madeira deverão ser recicladas na UE em 2030, 5% a mais do que em 2025.


O que faz a NOCTULA – Consultores em Ambiente na área dos Resíduos?

No caso de grandes superfícies comerciais (centros comerciais, hipermercados) a gestão de resíduos é muito complexa.

Veja o projeto de gestão de resíduos que a NOCTULA – Consultores em Ambiente desenvolveu no Palácio do Gelo Shopping em Viseu: http://noctula.pt/?p=773.


Fonte: europarl.europa

Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestBuffer this pageEmail this to someone

Related Posts