fbpx

Estudo das comunidades piscícolas ribeira de Santa Natália

A NOCTULA – Consultores em Ambiente foi responsável pelo Estudo da recuperação da conectividade fluvial e da qualidade ecológica da bacia hidrográfica principal da ribeira de Santa Natália, no âmbito da fase de exploração do Aproveitamento Hidroeléctrico de Pego Negro.

Captura das comunidades piscícolas por pesca elétrica.

A Ribeira de Santa Natália, de orientação Norte-Sul, é um afluente da margem direita do Rio Tâmega, nasce na Freguesia de Rego, no Concelho de Celorico de Basto, no Distrito de Braga, a cerca de 840 metros de altitude, desenvolvendo-se numa extensão de cerca de 16 km até à foz, no Rio Tâmega, em Amarante. Como principais afluentes identificam-se a Ribeira de Borba, na margem direita, e a Ribeira do Pertelim, na margem esquerda.

Relativamente à mini-hídrica de Pego Negro, esta destina-se à produção de energia elétrica e é constituída por um Açude e respetiva Tomada de Água, por um Circuito Hidráulico na margem direita e por uma Central Hidroelétrica onde estão instalados dois Grupos Turbina – Gerador. A central de fio-de-água Pego Negro é alimentada pela ribeira de Santa Natália. Situa-se no lugar de Pego Negro, freguesia de Telões, concelho de Amarante, Distrito do Porto.

Identificação e medição dos espécimes pertencentes à fauna piscícola.

De referir que o açude de Pego Negro na ribeira de Santa Natália, onde atualmente está a funcionar a mini-hídrica alvo deste estudo, já existe pelo menos desde 1942, período em que foi concedido o Alvará para o acionamento da oficina de preparação mecânica e lavagem de minérios de uma mina de estanho denominada “San Martinho”.

Foi objetivo deste trabalho, avaliar e caracterizar as comunidades piscícolas da ribeira de Santa Natália, na zona da mini-hídrica de Pego Negro, com vista a detetar eventuais impactes do aproveitamento hidroeléctrico do Pego Negro, bem como avaliar medidas minimizadoras e de compensação para a fase de exploração do referido empreendimento.

Todo o processo de amostragem da fauna piscícola foi desenvolvido de acordo com o protocolo “Avaliação Biológica da Qualidade da Água em Sistemas Fluviais segundo a Directiva Quadro da Água – Protocolo de amostragem e análise para a fauna piscícola” (INAG, 2008).

Na seleção de cada troço de amostragem, esteve subjacente a representatividade do sector a monitorizar, incluindo a máxima variedade de habitats disponíveis e conteve pelo menos um riffle no sector. A área de amostragem relaciona-se com a largura do rio. Assim, para rios de largura inferior a 30 metros, como é o caso, o comprimento do troço de amostragem corresponde a 20 vezes a sua largura, para um comprimento não inferior a 100 metros.

As amostragens foram realizadas a pé percorrendo todo o leito, de jusante para montante, com equipamento de pesca elétrica devidamente ajustado em função da condutividade elétrica da água, previamente determinada, permitindo desta forma aumentar a eficiência da pesca, evitando simultaneamente lesões e a mortalidade dos peixes. É de realçar que não foi induzida qualquer mortalidade nos exemplares recolhidos.

comunidades piscícolas
comunidades piscícolas

A amostragem realizou-se em períodos inferiores a 40 minutos, para evitar a mortalidade piscícola. Após a captura, os peixes foram manipulados cuidadosamente e mantidos, até ao seu processamento, dentro de caixas com água abundante e oxigenação assegurada por arejadores portáteis.

Evitaram-se densidades elevadas dentro das caixas, preservando assim o bom estado físico dos peixes até à sua restituição ao meio aquático. O processamento dos exemplares incluiu a sua identificação até à espécie e a obtenção de dados biométricos – determinação do comprimento total.

pesca elétrica

A pesca elétrica constitui um processo eficiente e relativamente inofensivo para a fauna piscícola, embora fortemente selectiva por espécie e classe de tamanho (Cortes, 1993). Esta técnica de captura por eletricidade baseia-se na criação de um campo eléctrico na massa de água, produzindo alterações no comportamento dos indivíduos, o que se traduz em movimentos involuntários de contração e relaxamento muscular por parte dos peixes, permitindo assim a sua captura (Oliveira et al., 2007).

Este trabalho foi realizado pela NOCTULA – Consultores em Ambiente em parceria com o Centro de Investigação de Montanha (CIMO) do Instituto Politécnico de Bragança (IPB).

Todos os elementos da equipa técnica envolvidos na captura e manuseamento da fauna piscícola possuiam credencial para a prática da Pesca Eléctrica emitida pela Autoridade Florestal Nacional (AFN).

Amostragem de peixes recorrendo à Pesca Elétrica

Veja aqui como se processa todo este trabalho num dos estudos desenvolvidos pela NOCTULA – Consultores em Ambiente.

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.