fbpx

Contraordenações Ambientais – Coimas para os poluidores

A Lei n.º 114/2015, de 28 de agosto, procede à segunda alteração da Lei n.º 50/2006, de 29 de agosto, primeiramente alterada pela Lei n.º 89/2009, de 31 de agosto, e estabelece o Regime aplicável às Contraordenações Ambientais e do Ordenamento do Território.

A alteração a este regime visa reunir num mesmo diploma as contraordenações ambientais e do ordenamento do território, assim como aperfeiçoar soluções que permitam ganhos de eficiência para a administração, com promoção dos comportamentos devidos e consequentes vantagens em matéria de saúde, segurança de pessoas e bens e ambiente, ultrapassando algumas dificuldades procedimentais.

Nas alterações efetuadas ao Regime das contraordenações ambientais e do ordenamento do território destacam-se:
  • Reunir num mesmo diploma as contraordenações ambientais e do ordenamento do território;
  • Alteração dos valores mínimos e máximos das coimas a aplicar;
  • Se o mesmo facto constituir simultaneamente crime e contraordenação, o agente é sempre punido a título de crime, sem prejuízo da aplicação das sanções acessórias previstas para a contraordenação;
  • Criada a figura da atenuação especial;
  • O produto das coimas aplicadas é repartido da seguinte forma: a) 45 % para o Fundo de Intervenção Ambiental; b) 30 % para a autoridade que a aplique; c) 15 % para a entidade autuante; d) 10 % para o Estado;
  • Competências para a fiscalização –  câmaras municipais e comissão de coordenação e desenvolvimento regional territorialmente competente.

 

O que é uma contraordenação ambiental?

Constitui contraordenação ambiental todo o facto ilícito e censurável que preencha um tipo legal correspondente à violação de disposições legais e regulamentares relativas ao ambiente que consagrem direitos ou imponham deveres, para o qual se comine uma coima. As contraordenações são puníveis a título de dolo ou de negligência.

O que é uma contraordenação do ordenamento do território?

Constitui contraordenação do ordenamento do território a violação dos planos municipais e intermunicipais e das medidas preventivas.

Quais as sanções aplicadas?

A determinação da coima e das sanções acessórias faz-se em função da gravidade da contraordenação, da culpa do agente, da sua situação económica e dos benefícios obtidos com a prática do facto. Na determinação da sanção aplicável são ainda tomadas em conta a conduta anterior e posterior do agente e as exigências de prevenção.

Coimas aplicadas às contraordenações

Para determinação da coima aplicável e tendo em conta a relevância dos direitos e interesses violados, as contraordenações classificam-se em leves, graves e muito graves. A Lei n.º 114/2015, de 28 de agosto trouxe alterações aos valores das coimas aplicadas às contraordenações, facilitando para quem prevarica pouco e penalizando mais quem prevarica muito, genericamente foram as seguintes:

Contra-ordenações leves: Pessoas singulares e coletivas – valores mínimos e máximos baixaram;

Contra-ordenações graves e muito graves: pessoas singulares e coletivas – valores mínimos baixaram e aumentaram os máximos.

Os limites máximos das molduras das coimas aplicáveis são quase todos agravados, o mesmo acontecendo com os limites mínimos aplicáveis às contraordenações praticadas com dolo por pessoas coletivas, sendo que neste caso a moldura da coima aplicável passa de 30 000 a 48 000 euros para 36 000 a 216 000 euros, nas contraordenações graves, e de 200 000 a 2 500 000 euros para 240 000 a 5 000 000 euros, nas contraordenações muito graves.

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.