fbpx

Festival de Birdwatching – 1 a 5 de Outubro

Na semana de 1 a 5 de Outubro, Sagres, foi palco do maior evento de natureza e de aves em Portugal.

Em outubro, milhares de aves sobrevoam o Algarve a caminho dos seus territórios de invernada em África. A realização da 12ª edição do Festival de Observação de Aves & Atividades de Natureza, possibilitou a todos os amantes da natureza, 5 dias recheados de atividades, desde saídas de campo, passeios de barco, minicursos temáticos, palestras, ateliers de educação ambiental, sessões de anilhagem e de monitorização e ainda sugestões como caminhadas, cursos de fotografia e visitas guiadas históricas.

Joana Domingues, da Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA), explicou que o Festival realiza-se no local certo, porque “Sagres localiza-se no extremo sudoeste de Portugal (e da Europa) e por isso é um local de convergência de aves migratórias”.

O evento foi organizado pela Câmara Municipal de Vila do Bispo, em parceria com a SPEA e a Associação Almargem.

O programa do evento contou com mais de 150 atividades. 

Durante o Festival os participantes tiveram a possibilidade de observar espécies raras, como a petinha-de-richard (Anthus richardi), uma ave migradora bastante rara em Portugal, proveniente das paragens longínquas da Sibéria.

Em 2021, a ave “estrela” do Festival foi a cegonha-preta (Ciconia nigra), uma ave com presença regular nos céus de Sagres, que se pode observar com relativa facilidade na altura da migração. A cegonha-preta vê-se geralmente sozinha ou em casais (na época de reprodução), mas entre agosto e outubro, quando migra para África, podem juntar-se bandos que chegam às 100.

10 atividades interessantes realizadas durante o Festival
 
1 – Aprender a fotografar aves

No programa do Festival estiveram disponíveis várias atividades onde fotógrafos de natureza ensinaram técnicas para fotografar aves. Por exemplo:

  • saídas de campo para aprender a fotografar aves costeiras e aves noturnas;
  • curso de curta duração para aprender a fotografar com o hidrohide, um abrigo flutuante que nos permite ficar muito perto das aves.

 

2 – Observar aves marinhas

A bordo de iates ou semi-rígidos, os participantes tiveram a possibilidade de ir para o mar guiado por biólogos e descobrir aves marinhas pelágicas.

Esta região é atualmente reconhecida como um dos únicos locais na Europa onde se podem observar algumas espécies de aves marinhas pelágicas, como por exemplo: pardela-de-barrete, pardela-sombria, painho-de-Wilson, moleiro-rabilongo ou gaivota-de-audouin.

3 – Observa aves planadoras

Os participantes tiveram a oportunidade de se juntar aos especialistas da SPEA e observar as aves planadoras que passam pelo posto da Esparregueira.

4 – Aprender a registar aves num caderno de campo

Manter um caderno de campo com registo das observações, torna as observações mais valiosas para si próprios e para a ciência e pode servir de diário para mais tarde recordar.

Durante o Festival houve algumas sessões teóricas sobre registos de campo para observação de aves (15-30min), seguida de uma sessão prática (45-60min) para pôr em prática os conceitos. 

5 – Assistir a sessões de anilhagem e aprender técnicas de anilhagem científica de aves

A anilhagem de aves consiste num processo de captura, marcação, estudo e posterior libertação.

Os participantes tiveram a possibilidade de se juntar ao grupo de anilhadores e assistir às sessões e assim ficar a conhecer de perto as aves que todos os anos passam nesta região.

Para os mais curiosos, também se realizaram workshops de anilhagem científica que incluíram a demonstração prática de técnicas de anilhagem.

6 – Aprender a desenhar aves

Neste workshop os participantes tiveram a possibilidade de aprender a desenhar aves no seu caderno de campo, conhecendo técnicas para fazer esboços, com especial destaque para as aves. 

Também se realizaram outros workshops sobre o desenho de aves, nomeadamente como desenhar a grafite, a esferográfica, a lápis de cor e a aguarela.

7 – Participar na monitorização de aves planadoras

Os participantes tiveram a possibilidade de integrar uma equipa de investigadores que está a monitorizar a migração das aves, especialmente rapinas, no âmbito de um estudo sobre impactes de parques eólicos sobre a avifauna na região.

8 – Aprender a construir caixas-ninho para aves

Os participantes tiveram a oportunidade de construir caixas-ninho para aves, nomeadamente para as diferentes espécies de chapim que ocorrem em Portugal.

Esta atividade permitiu perceber qual a importância de construir caixas-ninho, quais os segredos para as construir e instalar e qual o papel das espécies para o equilíbrio dos ecossistemas.

Esta iniciativa insere-se no projeto “Alojamento Local para Aves, que está a ser implementado em toda a região do Algarve e que pretende beneficiar algumas espécies de aves urbanas.

9 – Aprender a construir Assobios e Chamarizes 

Nesta oficina os participantes tiveram a possibilidade de aprender a construir e utilizar alguns destes instrumentos tradicionais, típicos do noroeste da península ibérica, com os quais podes atrair algumas aves mais curiosas.

10 –  Participar numa ação de devolução à Natureza de uma ave recuperada 

Todos os participantes tiveram a possibilidade de estar presentes numa ação de devolução à Natureza de uma ave recuperada no  RIAS – Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens da Ria Formosa. Esta ação foi precedida de uma breve explicação sobre a ecologia e biologia da espécie e sobre o trabalho desenvolvido no RIAS.

O RIAS tem como principal função receber e proceder ao tratamento de animais selvagens, feridos ou debilitados e, sempre que possível, devolvê-los ao seu habitat natural.

Atividades para crianças

As crianças também tiveram a possibilidade de participar neste Festival, através de atividades como:

  • anilhagem de aves;
  • peddy-papers para descobrir aves e o mundo natural;
  • ajudar a arrancar o chorão-das-praias na Fortaleza de Sagres;
  • ouvir contos infantis/juvenis na praia;
  • ajudar biólogos a detetar ninhos de chilreta (fictícios) na praia e a contar e medir os seus ovos;
  • construir aves com diferentes materiais;
  • fazer caminhadas à procura de folhas e dos seus mistérios e procurar os diferentes animais que vivem nas praias, tanto no areal como na zona de rochas.

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.