fbpx

O que precisa de saber sobre Poluição Atmosférica

Segundo o Relatório “National Emission Ceilings Directive Status 2014“, realizado pela Agência Europeia do Ambiente, conclui-se que, em 2013, a União Europeia ultrapassou os limites de emissões de poluentes atmosféricos. No entanto, Portugal apresentou comportamento positivo em todos os poluentes.

A poluição atmosférica é prejudicial para a saúde humana e o ambiente. Na Europa, as emissões de poluentes atmosféricos diminuíram substancialmente durante as últimas décadas, conduzindo a uma melhoria da qualidade do ar em toda a região. No entanto, as concentrações de poluentes atmosféricos permanecem demasiado elevadas e os problemas relacionados com a qualidade do ar persistem. Uma percentagem significativa da população europeia vive em zonas, especialmente cidades, onde as normas relativas à qualidade do ar não são observadas.

A qualidade do ar ambiente é uma componente ambiental determinante, em particular para a saúde pública e para a qualidade de vida dos cidadãos. Apesar das melhorias significativas nas últimas décadas, ainda persistem problemas de poluição atmosférica com repercussões na saúde humana e nos ecossistemas, principalmente ao nível dos poluentes, PM10, O3 e NO2, em particular em zonas urbanas densamente povoadas.

Para Portugal, os dados presentes no relatório “National Emission Ceilings Directive Status 2014”, referentes aos anos entre 2010 e 2013, mostram que as emissões estão abaixo dos limites fixados em todos os poluentes, ou seja, óxido de azoto (NOx), relacionado com o tráfego automóvel, NMVOCs (compostos orgânicos não voláteis), dióxido de enxofre (S02) e amoníaco (NH3).

De onde vêm os poluentes atmosféricos?

As fontes de poluição atmosférica podem ter origem antropogénica (provocada pelo Homem) ou origem natural, sendo as principais as seguintes:

– Queima de combustíveis fósseis na geração de eletricidade, nos transportes, na indústria e nos aglomerados domésticos;

– Processos industriais e a utilização de solventes, por exemplo, nas indústrias química e extrativa;

Agricultura;

– Tratamento de resíduos;

Erupções vulcânicas, as partículas de poeira transportadas pelo vento, a água do mar vaporizada e as emissões de compostos orgânicos voláteis das plantas são exemplos de fontes de emissões naturais.

Segundo a Agência Europeia do Ambiente, os transportes continuam a ser os maiores responsáveis pela fraca qualidade do ar nas cidades, em parte porque o transporte cresceu mais que o esperado, mas também devido ao aumento do número de veículos a gasóleo, mais poluentes que os carros a gasolina.

Consequências da Poluição Atmosférica
Poluição Atmosférica e os seus danos na saúde humana

O Decreto-Lei n.º 102/2010, de 23 de Setembro, estabelece os objetivos de qualidade do ar tendo em conta as normas, as orientações e os programas da Organização Mundial de Saúde, destinados a preservar a qualidade do ar ambiente quando ela é boa e melhorá-la nos outros casos.

Hoje em dia, as partículas finas em suspensão, o dióxido de azoto e o ozono troposférico são geralmente reconhecidos como os três poluentes que afetam de forma mais significativa a saúde humana. A gravidade do impacto da exposição prolongada e dos picos de exposição a estes poluentes varia, desde os danos causados ao sistema respiratório até à morte prematura.

Cerca de 90 % dos citadinos europeus encontram-se expostos a poluentes em concentrações superiores aos níveis de qualidade do ar considerados prejudiciais para a saúde. Por exemplo, estima-se que as partículas finas (PM2.5) na atmosfera reduzam a esperança de vida na UE em mais de oito meses. O benzo[a]pireno é um poluente carcinogénico que suscita cada vez mais preocupações, com concentrações superiores ao limite definido para proteger a saúde humana em diversas áreas urbanas, sobretudo na Europa Central e Oriental.

O Relatório “O Ambiente na Europa – Estado e Perspetivas 2015“, também elaborado pela Agência Europeia do Ambiente, refere que a poluição do ar continua a ter sérios impactes nas zonas urbanas e, “em 2011, cerca de 430 000 mortes prematuras na UE foram atribuídas às partículas finas em suspensão”.

O custo associado à poluição do ar representou no ano de 2010, pelo menos, 330 mil milhões de euros relacionados com a impactes na saúde humana, segundo estimativas da Comissão Europeia apresentadas no Relatório sobre a Qualidade do Ar na Europa em 2014, que apontam ainda para 15 mil milhões de euros devido a ausências no trabalho, e quatro mil milhões por gastos em cuidados médicos.

Poluição Atmosférica e os seus danos no ambiente

A melhoria da qualidade do ar na Europa nem sempre tem acompanhado o decréscimo geral das emissões antropogénicas de poluentes atmosféricos. As razões que explicam esta realidade são complexas:

– Nem sempre existe uma relação linear clara entre o decréscimo das emissões e as concentrações de poluentes atmosféricos observados no ar;

– É cada vez maior o contributo do transporte de longa distância de poluentes atmosféricos para a Europa provenientes de outros países do hemisfério norte.

Danos da poluição atmosférica no ambiente:

– A acidificação foi substancialmente reduzida entre 1990 e 2010 em zonas de ecossistemas sensíveis da Europa que estavam sujeitas à deposição ácida de compostos de enxofre e azoto em excesso.

– A eutrofização, um problema ambiental causado pela introdução de um excesso de nutrientes nos ecossistemas, registou menos progressos. A superfície de ecossistemas sensíveis afetados pelo excesso de azoto atmosférico diminuiu apenas ligeiramente entre 1990 e 2010.

– A perda de colheitas na agricultura é causada pela exposição a elevadas concentrações de ozono. A maioria das culturas agrícolas encontra-se exposta a níveis de ozono que excedem o objetivo de longo prazo fixado pela UE para proteção da vegetação. Inclui-se aqui, nomeadamente, uma percentagem significativa de áreas agrícolas, especialmente na Europa do Sul, Central e Oriental.

 
Registo de Emissões e Transferências de Poluentes – PRTR

O “Pollutant Release and Transfer Register – PRTR”, em português “Registo de Emissões e Transferências de Poluentes” é um regulamento que foi desenvolvido com o objetivo de facilitar o acesso público à informação ambiental. Deste modo, desde 2009 que os dados são atualizados. O E-PRTR contém informação sobre a quantidade e localização dos poluentes emitidos para o ar, a água e os solos, reportados de cerca de 24 000 indústrias europeias.

Destes dados resultou nomeadamente o Relatório “Costs of air pollution from European industrial facilities 2008-2012“.

Verifique se a sua empresa está sujeita à submissão do formulário PRTR, clicando aqui

Outra ferramenta desenvolvida na área da poluição atmosférica, neste caso em Portugal, é a Estratégia Nacional para o Ar 2020 (ENAR), que tem como objetivo melhorar a qualidade do ar, protegendo a saúde humana e preservando os ecossistemas. A ENAR defende quatro vetores estratégicos de atuação: melhorar os níveis de conhecimento; implementar iniciativas setoriais para as emissões atmosféricas (por exemplo, ao nível da indústria, transportes, agricultura); melhorar a governança e eficácia da administração; e finalmente, promover projetos de investigação e desenvolvimento.

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.