Simpósio IPES – “A Concentração Solar e o Futuro”

Blog, Energia Solar, Energias RenováveisComentários fechados em Simpósio IPES – “A Concentração Solar e o Futuro”387

IPES – Instituto Português de Energia Solaruma organização dedicada ao desenvolvimento e promoção no setor da Energia Solar, organizou o 4.º Simpósio IPES subordinado à temática: “A Concentração Solar e o Futuro”.

O simpósio decorreu nos dias 24 e 25 de setembro de 2018 e promoveu a discussão e tomada de conclusões relativas a uma futura política energética nacional para a energia solar. O debate contou com um painel de oradores formado por especialistas nacionais e internacionais.


Consulte aqui o programa completo: www.ipes.pt/ipes/programa.


Centrais Parabólicas Solares com sal fundido

O simpósio encerrou com a inauguração do campo de concentradores solares parabólicos (3,6 MWth), na Plataforma de Sais Fundidos de Évora (EMSP -Évora Molten Salt Platform), uma infraestrutura única em Portugal e na Europa.

Este projeto é desenvolvido pela Universidade de Évora e pelo Instituto DLR de Pesquisa Solar, com um consórcio de empresas alemãs que inclui a:

  1. TSK FLAGSOL Engineering,
  2. Eltherm,
  3. Eskom,
  4. Steimuller Engineering,
  5. Yara.

O objetivo deste projeto de pesquisa, consiste em examinar a eficiência e a fiabilidade de centrais parabólicas com sal fundido como meio de transferência de calor.

Évora Molten Salt Platform – Tanques de armazenamento de calor salino. Fonte: DLR

Atualmente, as centrais elétricas parabólicas comerciais utilizam óleos térmicos para receber e transferir o calor de alta temperatura gerado pela radiação solar. Em comparação com o óleo térmico, a vantagem do sal é o seu menor custo de aquisição e a possibilidade de o sal poder ser aquecido a uma temperatura superior ao do óleo térmico.

O gerente de projeto, Dr. Michael Wittmann da DLR, afirma que “uma das principais vantagens do sal fundido é a sua boa resistência a altas temperaturas. Para o óleo térmico, a temperatura de 400 graus Celsius é o limite. Mas o sal suporta temperaturas acima de 500 graus em uso contínuo.”


Saiba mais sobre este projeto, aqui: www.emsp.uevora.pt/index.php/project/.


Central Parabólica Solar com tubo receptor. Fonte: Flagsol

A NOCTULA – Consultores em Ambiente já realizou vários trabalhos no âmbito da Energia Solar Fotovoltaica.

Conheça aqui alguns dos projetos:

1) Estudo de Incidências Ambientais – Central Fotovoltaica de Mogadouro;

2) Pedido de Enquadramento em AIA – Central Solar Fotovoltaica de Montemor;

3) Pedido de Enquadramento em AIA – Central Solar Fotovoltaica de Selmes;

4) Pedido de Enquadramento em AIA – Central Solar da Vidigueira;

5) Pedido de Enquadramento no procedimento AIA – Central Fotovoltaica de Alpalhão.

A NOCTULA também foi responsável pela elaboração de um Estudo de Incidências Ambientais (EIncA) relativo ao projeto Central Fotovoltaica, localizada em Ovar. Foi ainda responsável pela gestão ambiental e pelo acompanhamento arqueológico da obra de construção da mesma Central Fotovoltaica.

Caso necessite de algum serviço nestas áreas não hesite em contactar-nos232 436 000 ou através do email: info@noctula.pt.


Fonte: IPES

Related Posts