fbpx

Maior Banco de Sementes em Portugal preserva mais de 1/3 da Flora Portuguesa

Fatores como as alterações climáticas, os desastres naturais, o aumento da poluição, a exploração excessiva dos solos e a interferência do homem no habitat natural, estão a mudar a flora a nível global e os seus padrões de distribuição, atingindo toda a Europa, inclusive a flora portuguesa que enfrenta atualmente muitas ameaças.

Existe em Portugal, um Banco de Sementes, que trabalha desde 2001 na conservação e proteção de várias espécies ameaçadas. 

O Banco de Sementes A.L. Belo é o maior e mais antigo banco de sementes de espécies autóctones em Portugal Continental. Neste banco os tesouros são as mais de 3700 amostras de sementes, que agregam mais de 1200 espécies e subespécies de plantas de Portugal. 

Estas espécies ficam guardadas num ‘cofre’ sob a forma de um frigorífico de quatro metros quadrados. Com temperaturas que podem atingir os 18 graus negativos, este frigorífico preserva mais de 1/3 da flora portuguesa e cerca de 60% das espécies protegidas de Portugal Continental. Este processo acontece sob a vigilância de vários técnicos que realizam os processos de identificação, análise e preservação.

O Banco de sementes dispõe ainda de câmaras de germinação, onde quando é necessário, são colocadas sementes e se “imitam” as condições da natureza, como por exemplo: as horas de dia e da noite, a temperatura e a humidade que a planta precisa.

Este banco de sementes que é membro nacional do ENSCONET-The European Native Seed Conservation Network, consórcio europeu que reúne 30 bancos de sementes, aplica normas internacionais na recolha e conservação de sementes de forma a maximizar a qualidade, a longevidade e a diversidade genética.

Os técnicos afirmam que “milhares de sementes de uma só espécie podem manter-se vivas durante dezenas ou centenas de anos”.

Processo de preservação e conservação

Segundo Maria Manuela Sim-Sim, curadora deste banco de sementes, grande parte da flora portuguesa é dominada por plantas herbáceas e arbustos, estando as árvores em menor número.

As sementes chegam ao laboratório onde são limpas e sujeitas a um mês de secagem. Só depois é que as amostras são colocadas e guardadas em tubos de vidro tapados com algodão e sílica-gel, além do seu aprovisionamento com parafina. As sementes são divididas em três áreas: ortodoxas, intermédias e recalcitrantes.

As sementes ortodoxas retêm a sua viabilidade por um longo período de tempo, ou seja, com baixo conteúdo hídrico e temperaturas abaixo de zero.

As sementes recalcitrantes toleram apenas uma secagem parcial e nunca valores inferiores a 18-45% ou temperaturas muito abaixo dos 0 Cº.

As sementes intermédias podem tolerar baixos conteúdos hídricos, mas não suportam temperaturas negativas”.

Nos últimos anos, o Banco de Sementes deu prioridade à conservação de espécies ameaçadas contribuindo assim para o cumprimento em Portugal da meta 8 da Estratégia Global para a Conservação das Plantas, que recomenda a conservação de 75% das espécies ameaçadas no país de origem até 2020.

Como parte dessa estratégia, foi estabelecido em 2008 um Protocolo de colaboração com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), que permite o planeamento e a conservação das espécies ameaçadas da Flora Portuguesa.

Para a curadora do banco, “a salvaguarda desta diversidade para o futuro a longo prazo é um desafio cada vez mais urgente para os portugueses”.

Portugal caracteriza-se pela diversidade da sua flora, onde coexistem espécies atlânticas, europeias, mediterrânicas e africanas, mas Maria Manuela afirma que “a perda de biodiversidade é uma realidade” e que “existe uma significativa percentagem de espécies ameaçadas de extinção”. Conclui dizendo que “gostaria de chegar a 2020 com 75% da flora ameaçada salvaguardada”.

A conservação das espécies ameaçadas é uma prioridade e permite implementar em Portugal a Estratégia Global para a Conservação das Plantas. Esta coleção de sementes constitui assim, um seguro contra a extinção das plantas no seu habitat natural, disponibilizando sementes para a reabilitação de habitats e a reintrodução de espécies ou reforço das suas populações.

Fontes: EuronewsMuseu Nacional de História Natural e da Ciência

A NOCTULA – Consultores em Ambiente presta serviços de monitorização e investigação direcionados à Flora, Vegetação e Habitats naturais.

  • Identificação da presença de espécies RELAPE;
  • Acompanhamento da recuperação do coberto vegetal em áreas intervencionadas;
  • Levantamentos e catálogos florísticos.

 

Já elaboramos vários trabalhos neste âmbito, nomeadamente:

 

Caso necessite de algum destes serviços não hesite em contactar-nos: 232 436 000 ou através do email: info@noctula.pt.

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.