fbpx

Relatório Planeta Vivo 2020: Pegada Ecológica de Portugal aumenta

Nos últimos 50 anos o Planeta sofreu uma grande transformação devido à explosão do comércio global, do crescimento da população humana, do consumo e ainda da crescente urbanização. Estes fatores colocam uma enorme pressão na natureza, levando a consequências como a perda de habitat e alterações climáticas.

O mais recente relatório Planeta Vivo 2020 (Living Planet Report 2020), divulgado pela World Wildlife Found (WWF), concluiu que “nos últimos 50 anos perderam-se 68% das populações monitorizadas de mamíferos, aves, anfíbios, répteis e peixes”.

O Living Planet Report é lançado a cada 2 anos e consiste num estudo abrangente das tendências da biodiversidade global e da saúde do planeta.

Pode consultar o relatório completo, AQUI.

Através de vários indicadores, incluindo o Índice Planeta Vivo (LPI), fornecido pela Zoological Society of London (ZSL), este relatório, que já vai na sua 13ª edição, fornece-nos evidências científicas de que atividade humana insustentável está a levar os sistemas naturais do planeta ao limite.

Os dados deste relatório são recolhidos de quase 4.000 fontes, usando dispositivos de áudio para monitorizar sons de insetos, drones e marcação de satélite para rastrear populações em movimento. É também usada a tecnologia blockchain para rastrear o impacto das colheitas nas populações selvagens.

A divulgação do relatório aconteceu poucos dias antes da 75ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas, uma reunião onde os líderes mundiais avaliam o progresso feito nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, no Acordo de Paris e na Convenção da Diversidade Biológica (CDB) e definem o quadro de ação pós-2020 para a biodiversidade global.

Principais conclusões do Living Planet Report 2020

Declínio médio de 68% nas cerca de 20 mil populações de 4.392 espécies de mamíferos, aves, peixes, répteis e anfíbios, monitorizadas em todo o mundo entre 1970 e 2016.

As taxas de declínio variam de região para região do planeta, sendo mais acentuada nos trópicos, com a América do Sul e Central a revelar perdas de 94%, seguida de África (65%) e da região da Ásia- Pacífico (45%). Já a América do Norte apresenta um declínio de 33% e a Europa e a Ásia Central de 24%.

As principais causas para o declínio estão associadas:

  • à perda e degradação de habitat,
  • à desflorestação e alteração de usos do solo, impulsionada pela produção e consumo de alimentos e pela forma como emitimos gases de efeito de estufa.

 

A conversão de terras para produção alimentar é classificada como a principal causa da perda de natureza.

Cerca de 50% da área habitável de todo o mundo está a ser usada para agricultura, desde plantações até à criação de animais.

Exemplo de perda de biodiversidade: Na região do Cerrado na América do Sul localiza-se a savana com a diversidade mais rica do mundo. Esta região é uma importante fonte de água e tem uma grande capacidade de absorção de carbono que, caso contrário, seria libertado na atmosfera levando ao aceleramento das alterações climáticas. O relatório “Planeta Vivo 2020” indica que metade da região já se perdeu para a criação de gado e produção de soja para consumo em todo o mundo.

O Índice de Integridade da Biodiversidade mostrar uma ligeira tendência positiva para a Europa, o que significa que as medidas de restauração da natureza ao abrigo das Diretivas Aves e Habitats da UE estão a funcionar e devem ser implementadas com maior ambição.

Principais ameaças à natureza 

Fatores diretos: 

  1. Poluição
  2. Sobrexploração
  3. Alterações climáticas
  4. Perda e degradação de habitat
  5. Espécies invasoras

 

Fatores indiretos:

  1. Consumo
  2. Aumento da população
  3. Epidemias
  4. Economia/Governação
  5. Tecnologia
  6. Conflitos

 

Pressões:

  1. Turismo
  2. Pescas
  3. Agricultura
  4. Infraestruturas
  5. Silvicultura
  6. Mineração
  7. Energia

 

Em comunicado, Tanya Steele, diretora-executiva da WWF, explica que com a queima de florestas, a poluição e sobreexploração dos mares e a destruição de áreas selvagens, estamos a destruir a única casa que conhecemos, arriscando a nossa saúde, segurança e sobrevivência  na Terra. Tanya Steele explica ainda que “se nada mudar, as populações de animais irão continuar a desaparecer, levando a vida selvagem à extinção e ameaçando a integridade dos ecossistemas dos quais dependemos”.

Pegada Ecológica

Enquanto a biodiversidade revela uma tendência decrescente, a Pegada Ecológica sobre a Terra aumenta. Este é um outro indicador-chave referenciado no relatório Planeta Vivo 2020, que ilustra bem como a nossa crescente procura pelos recursos naturais se tornou insustentável.

Segundo os dados do Relatório Planeta Vivo, a pegada ecológica per capita em Portugal aumentou significativamente entre 2018 e 2020. O país encontra-se atualmente posicionado no 46.º lugar a nível mundial, com 4,1 hectares de terra necessários por pessoa, enquanto que no ranking anterior aparecia em 66º. O relatório refere que os portugueses precisam agora de 2,52 planetas para manter o seu atual estilo de vida.

Catarina Grilo, diretora de conservação da ANP/WWF, explicou que esta realidade “está relacionada com o crescimento do consumo e do turismo, associados ao crescimento da economia nacional depois da crise económica”.

A liderar o ranking do pior desempenho ambiental está o Qatar. Países como os Estados Unidos, Austrália, Canadá, França, Itália, Reino Unido, Países Baixos, Bélgica, Suíça e Alemanha revelam uma Pegada Ecológica superior à de Portugal.

 

Propostas da WWF

Apesar do cenário de perda de biodiversidade, os investigadores consideram que “a conservação funciona e que as espécies podem ser trazidas do limiar da extinção.” Desde que haja, “dedicação, investimento e conhecimento, estas tendências podem ser revertidas.”

A ANP/WWF defende que os compromissos devem ser seguidos por cidadãos, empresas e governos. Desses compromissos constam ações como:

Aposta no consumo sustentável. Ex: consumo de carne produzida em pastagens inseridas em sistemas agro-silvopastoris, como o montado Português;

Aposta em alimentos produzidos de forma sustentável e que valorizem os serviços dos ecossistemas, em terra ou no mar;

Escolher produtos provenientes de florestas com gestão certificada;

Recusa de produtos de plástico descartável (como pratos, copos ou talheres de uso único);

Proteger as linhas costeiras;

Aumentar os esforços de conservação;

Criar mais apoios para a reflorestação;

Trazer a natureza para as cidades, através de plantação de árvores e criação de telhados e paredes verdes.

A investigadora Catarina Grilo afirma que “no meio de uma pandemia global é mais importante que nunca iniciar uma ação global coordenada e sem precedentes para até 2030 haver zero perda de habitats, zero extinção de espécies e populações de vida selvagem em todo o mundo, e reduzir para metade a nossa pegada ecológica.”

Segundo o Ministro do Ambiente e das Alterações Climáticas, estão previstos 1,2 mil milhões de euros de vários fundos portugueses e europeus para se poder recuperar habitats, restaurar ecossistemas e eliminar ameaças à biodiversidade entre 2021 e 2027.

Fontes: Expresso, Wilder, WWF, wwf.panda

Um dos serviços ambientais prestados pela NOCTULA – Consultores em Ambiente consiste na Monitorização de Sistemas Ecológicos, nomeadamente:

  • Monitorização de Aves;
  • Mamíferos terrestres, marinhos e voadores;
  • Fito e Zooplâncton;
  • Invertebrados;
  • Herpetofauna (anfíbios e répteis);
  • Monitorização de Flora, Vegetação e Habitats.

 

Dois dos muitos trabalhos realizados pela NOCTULA nesta área são, nomeadamente: Monitorização de Tartaranhão-caçador no parque eólico de Negrelo e Guilhado e Atividade e mortalidade de Aves e Quirópteros – Parque Eólico Testos II.

Caso necessite de algum serviço na área da Monitorização de Sistemas Ecológicos, não hesite em contactar-nos: 232 436 000.

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.