fbpx

Aprovada Estratégia Nacional para o Hidrogénio (EN-H2)

O Conselho de Ministros aprovou o diploma sobre a Estratégia Nacional para o Hidrogénio (EN-H2), que tem como principal objetivo introduzir um elemento de incentivo e estabilidade para o setor energético, promovendo a introdução gradual do hidrogénio enquanto pilar sustentável, integrado numa estratégia de transição energética para uma economia descarbonizada.

Na próxima década o setor da energia será aquele que dará o maior contributo para a descarbonização, pelo que a transição energética assume um papel extremamente importante.

Em comunicado, o Governo explica que as metas e os objetivos para o setor da energia são claros:

  • alcançar uma incorporação de 47% de fontes renováveis no consumo final de energia;
  • reduzir para 65% a dependência energética e em 35% o consumo de energia primária.

Acelerar a transição energética e a descarbonização da economia significa que Portugal deve apostar na produção e na incorporação de volumes crescentes de hidrogénio verde, promovendo uma substituição dos combustíveis fósseis mais intensa.

O papel que os gases renováveis, em particular o hidrogénio, podem desempenhar na descarbonização dos vários setores da economia, com particular foco nos transportes e na industria, permitirá alcançar níveis elevados de incorporação de fontes renováveis de energia no consumo final de energia de forma mais eficiente.

Por outro lado, tendo em conta a sua flexibilidade e complementaridade com o Sistema Elétrico Nacional, seja na versão consumo, armazenamento ou produção, permite acelerar a descarbonização do próprio setor elétrico.

Esta estratégia propõe um conjunto de medidas e metas de incorporação para o hidrogénio em vários setores da economia, com o objetivo de promover e dinamizar, tanto a produção como o consumo, criando as necessárias condições para uma verdadeira economia de hidrogénio em Portugal.

Principais vantagens do Hidrogénio

  • Em complementaridade com a estratégia de eletrificação, permite reduzir os custos da descarbonização;
  • Reforçar substancialmente a segurança de abastecimento num contexto de descarbonização, dado que o hidrogénio permite armazenar eletricidade renovável durante longos períodos de tempo;
  • Reduzir a dependência energética ao usar na sua produção fontes endógenas;
  • Reduzir as emissões de GEE em vários setores da economia uma vez que promove mais facilmente a substituição de combustíveis fósseis (ex.: indústria da refinação, química, metalúrgica, cimento, extrativa, cerâmica e vidro);
  • Promover a eficiência na produção e no consumo de energia ao permitir soluções em escala variável à medida das necessidades, próximas do local de consumo e distribuídas pelo território nacional;
  • Promover o crescimento económico e o emprego por via do desenvolvimento de novas indústrias e serviços associados.

O reconhecimento da importância do hidrogénio reside no facto de ser um portador de energia com elevada densidade energética, o que lhe permite ser uma solução para:

  • processos industriais intensivos;
  • armazenar energia produzida através de fontes renováveis;
  • possibilitar o surgimento de outros combustíveis de base renovável (ex.: combustíveis sintéticos para o setor dos transportes marítimos e aviação).

A aposta no hidrogénio contribui para potenciar o cumprimento dos objetivos nacionais de incorporação de fontes renováveis no consumo final de energia e para a descarbonização, com particular ênfase na indústria e na mobilidade (sobretudo no transporte rodoviário pesado de passageiros e no de mercadorias, incluindo a logística urbana).

Portugal apresenta condições muito favoráveis, para desenvolver uma economia de Hidrogénio, nomeadamente, a existência de uma infraestrutura de gás natural moderna, preços de produção de eletricidade renovável muito competitivos e uma localização geográfica estratégica para exportação.

Projetos e iniciativas futuros no âmbito da produção de Hidrogénio
Implementar um projeto âncora à escala industrial de produção de hidrogénio verde em Sines

Iniciativa focada em alavancar a energia solar e eólica, tirando partido da localização estratégica, onde será instalada uma unidade industrial com uma capacidade total em eletrolisadores de, pelo menos, 1 GW até 2030, que permita posicionar Sines e Portugal, como um importante hub de hidrogénio verde.

Descarbonização do setor dos transportes

Iniciativa que pretende promover e apoia o hidrogénio e os combustíveis sintéticos produzidos a partir de hidrogénio, em complemento com a eletricidade e os biocombustíveis avançados, enquanto solução para alcançar a descarbonização deste setor (rodoviário de transporte de
mercadorias e passageiros)

Serão ainda apoiadas as infraestruturas de abastecimento a hidrogénio.

Descarbonizar a indústria nacional

O hidrogénio representa uma oportunidade para a descarbonização de muitos subsetores (ex.: metalúrgica, química, extrativa, vidro e cerâmica, cimento).

Implementar um laboratório colaborativo para o Hidrogénio, de referência a nível nacional e internacional

Desenvolverá atividade de I&D em torno das principais componentes relevantes da cadeia de valor do hidrogénio e que potencie o desenvolvimento de novas indústrias e serviços.

O ministro do Ambiente e Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, explicou que “produzir hidrogénio faz parte da estratégia de eletrificação e redução das emissões de gases com efeito de estufa”.

Segundo o documento sobre a Estratégia Nacional para o Hidrogénio, Portugal pretende manter o o foco e a ambição em liderar a transição energética e o combate às alterações climáticas. A estratégia rumo a uma economia neutra em carbono, tem como base as fontes de energia renovável, com foco na eficiência energética e nos benefícios para o consumidor de energia. Esta orientação pretende promover a descarbonização da economia e a transição energética visando a neutralidade carbónica em 2050.

Apoiamos a sua empresa!

A NOCTULA – Consultores em Ambiente pode apoiar a sua empresa, em várias áreas de intervenção:

  1. Pedidos de Enquadramento no RJAIA;
  2. Estudos relacionados com os procedimentos de Avaliação de Impactes (EIA) e Incidências Ambientais (EIncA);
  3. Estudos de Macrocondicionantes Ambientais;
  4. Monitorizações de Sistemas Ecológicos;
  5. Planos de gestão para espécies específicas de fauna e flora;
  6. Medidas de minimização e compensatórias.

 

Se precisar de apoio neste âmbito, não hesite em contactar-nos: 232 436 000 ou através do email: info@noctula.pt.

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.