fbpx

Soluções para reaproveitar resíduos dos lagares de azeite

A indústria do azeite dispõe atualmente de soluções tecnológicas para reaproveitamento de praticamente todos os resíduos que produz, desde a produção de biomassa até alimentação animal.

Da produção de azeite resultam o bagaço de azeitona, os caroços, as folhas e as águas ruças ou bagaço húmido, que são um “problema ambiental muito complexo“, pois têm uma carga poluente 200 a 400 vezes superior ao do esgoto doméstico. Em média, a campanha de azeitona no país produz águas ruças equivalentes ao esgoto de 2,5 milhões de pessoas. Existem vários processos de tratamento, desde os menos onerosos, como lagoas de retenção e evaporação, a outros mais caros como os de tratamento biológico, térmico e físico-químico.

Neste momento, a maior parte dos resíduos dos lagares de azeite estão a ser encaminhados para a indústria da refinaria, que retira o azeite remanescente dos bagaços húmidos para a produção de óleo de bagaço e o restante é usado para queima.

Com vista a dar uma solução mais global a estes resíduos, João Claro, investigador da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), desenvolveu o projeto BioCombus que aproveita os subprodutos das colheitas de azeitona e os transforma em biomassa, que poderá ser utilizada como combustível sólido para caldeiras domésticas.

O processo do projeto BioCombus mistura os resíduos dos lagares de azeite com os resíduos da Indústria da Cortiça obtendo-se, como produto final, um biocombustível sólido com grande potencial de valorização, elevado poder calorífico e que não constitui um problema ambiental.

É uma solução global porque estamos a fazer um tratamento para cumprir a lei e além disso estamos a criar uma mais-valia comercial“, salientou o investigador.

Uma equipa de investigadores da UTAD tem vindo a desenvolver trabalhos que visam a valorização da folha da oliveira na alimentação animal. Segundo o investigador responsável pelo projeto, Miguel Rodrigues, os resultados obtidos até ao momento indiciam “um forte potencial de aplicação em dietas para coelhos e ruminantes“.

Nos últimos anos, a GNR tem fiscalizado os lagares de azeite e, segundo fonte policial, tem registado cada vez menos incumprimentos das normas de funcionamento, desde os licenciamentos ao tratamento de resíduos. A operação “Lagareiro 2015“, realizada pelo Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente (SEPNA), está em curso e decorre até 31 de janeiro de 2016.

 

Fontes: UTAD, Público, Algébrica, GNR, TecnoAlimentar

No caso de grandes superfícies comerciais (centros comerciais, hipermercados) a gestão de resíduos é muito complexa.

Veja o projeto de gestão de resíduos que a NOCTULA – Consultores em Ambiente desenvolveu no Palácio do Gelo Shopping em Viseu: http://noctula.pt/?p=773.

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.