10 maiores aerogeradores do mundo

Blog, Energia Eólica, Energias RenováveisComentários fechados em 10 maiores aerogeradores do mundo4368

* Atualização em janeiro de 2018

Neste artigo apresentamos os maiores aerogeradores do mundo, neste momento. À medida que a energia eólica tenta reduzir os custos de produção da eletricidade, os fabricantes têm procurado aumentar o tamanho dos aerogeradores.

Economica e ambientalmente, esta mudança faz todo o sentido. Segundo um estudo realizado por cientistas suíços e holandeses, liderados por Marloes Caduff do Instituto de Engenharia Ambiental da ETH Zurich, quanto maior for o tamanho do aerogerador, mais sustentável será a eletricidade produzida. Este efeito deve-se tanto ao tamanho da turbina, como ao conhecimento e experiência adquiridos com a tecnologia ao longo do tempo.

Os critérios usados para esta lista são:

  1. Capacidade de produção (1ª prioridade). Em segundo plano colocamos o diâmetro da turbina.;
  2. Para ser incluído neste grupo a turbina eólica deve ter sido: construída e ter produzido energia;
  3. A lista incluí as turbinas eólicas tanto onshore como offshore.

1. Vestas V164 9.5MW

O aerogerador Vestas V164 surgiu em janeiro de 2014, quase três anos após o projeto ser apresentado pela primeira vez em Londres.

O V164 é voltado para o sistema offshore, ou seja para ao largo da costa. As principais características são as pás com 80 metros de comprimento e uma nacelle muito leve, que venceu a categoria de inovação em design nos Windpower Monthly’s Annual Wind Turbine Awards.

Esta turbina, fabricada na Dinamarca e no Reino Unido, tem sido continuamente aumentada e atualmente situa a sua capacidade de produção nos 9.5 MW, com um diâmetro de 164 metros.

2. Adwen AD-180

O Adwen AD-180 é um produto offshore, de uma joint venture offshore entre a Gamesa e a Areva. Este aerogerador está a estabelecer uma nova referência no que diz respeito ao comprimento da lâmina, situando-se atualmente nos 88,4 metros, um registo maior do que as lâminas do MHI Vestas V164.

Com uma capacidade de 8 MW e 180 metros de diâmetro, este aerogerador baseia-se no design da unidade Gamesa, especialmente no que diz respeito ao drivetrain.

3. Siemens-Gamesa Renewable Energy SWT-8.0-154

Esta turbina foi vista pela primeira vez em 2011 com uma unidade de 6 MW e com um diâmetro de 120 metros.

A Siemens também tem efetuado atualizações e atualmente a turbina SWT-8.0-154virada para o mercado offshore, atinge uma potência de 8MW e um diâmetro estendido até aos 154 metros.

A turbina foi fabricada principalmente na Dinamarca, embora a Siemens tenha construído uma fábrica de lâminas e uma fábrica de montagem em Hull, Yorkshire.

4. Enercon E-126 7.5MW

Ao contrário da maioria dos exemplos desta lista, o Enercon E126 7.5 MW é projetado estritamente para o setor onshore. O E126 possui um rotor com um diâmetro de 127 metros.

Desenvolvido a partir de uma máquina de 6 MW revelada em 2007, a E-126 da Enercon, continua a ser o maior gerador de energia eólica terrestre (onshore).

Com uma potência de produção atual situada nos 7.5 MW, os representantes da Enercon acreditam ter potencial para atingir ainda mais.

O tamanho e o custo deste design limitaram a sua aceitação, mas um total de 87 máquinas de 6MW e 7.5MW estão agora operacionais, incluindo 38 E126s instalados na Holanda.

5. MHI Sea Angel 7 MW

A turbina com uma capacidade de produção de 7 MW, pertence à Mitsubishi Heavy Industries (MHI) e, por um curto período de tempo, teve a maior lâmina do mundo.

A primeira máquina foi instalada em 2014 e chegou logo após o anúncio de que a MHI e a Vestas lançaram uma joint venture (MHI Vestas) para desenvolver o aerogerador V164 (ver 1º exemplo).

O MHI 7 MW, também conhecido como o Sea Angel, foi instalado pela primeira vez no Hunterston Test Center, na Escócia. Seguiu-se uma outra instalação na da costa japonesa perto de Fukushima. Esta instalação foi feita numa base flutuante.

Este aerogerador também voltado para o sistema offshore, possui um rotor com diâmetro de 167 metros. No entanto, é pouco provável que entre em produção em série, pois a Mitsubishi tem a sua atenção voltada para a joint venture offshore com a Vestas.

6. Samsung S7.0 171 7MW

O modelo da Samsung S7.0 171 7MW era uma das mais promissoras e inovadoras séries de aerogeradores no mercado offshore.

Entre as suas características, destaca-se o comprimento da pá que até ao momento, ainda é uma das mais compridas do mundo com quase 85 metros. Em primeiro lugar encontra-se como já referimos, a Adwen AD-180, com 88,4 metros.

Infelizmente o Samsung S7.0 ainda não entrou em produção, uma vez que a empresa Coreana informou que saiu do mercado de energia eólica offshore, por ainda ser era muito caro e muito incerto.

Este aerogerador possui um rotor com diâmetro de 171.2 metros, e ainda está no lugar onde era suposto ser instalado, na Escócia. Atualmente está a ser usado como um centro de treino, após um acordo com o ORE Catapult, a organização de tecnologia limpa do Reino Unido.

7. Ming Yang 6.5 MW SCD (Super Compact Drive)

Passaram-se 80 anos desde que a fabricante chinesa Ming Yang assinou um acordo com a empresa alemã de design Aerodyn para construir a sua turbina offshore de duas lâminas para o mercado chinês.

O primeiro protótipo com um diâmetro do rotor de 130 metros e uma capacidade de produção de 6.5 MW foi instalado na China no segundo semestre de 2014, onde foi testado.

A Aerodyn projetou uma plataforma flutuante para o Ming Yang SCD 6.5MW, embora nunca tenha entrado em produção.

A empresa pretende ainda vender a turbina para mercados fora da China, e está atualmente a trabalhar numa variante de 8 MW com um diâmetro de rotor de 168 metros.

8. Senvion 6M 6.2MW

Introduzida como uma unidade de 5MW em 2004 sob a marca Repower, a Senvion, continuou a desenvolver esta turbina offshore.

A potência foi aumentada para 6.15 MW e o diâmetro do rotor também aumentou de 126 para 152 metros, permitindo que seja instalado em locais com menor intensidade de vento.

O maior comprimento da lâmina proporciona um aumento de 20% no rendimento, a velocidades de vento de 9,5 m /s, de acordo com a empresa. Também melhorou a extensão da vida útil, que passou de 20 para 25 anos.

O aerogerador tem como objetivo continuar o sucesso conseguido com o seu antecessor 5 MW, que foi um dos maiores quando foi lançado em 2004, tendo sido a primeira turbina de 5 MW a ser instalada em massa e usada em grandes projetos do Mar do Norte e no mar da Irlanda.

O aerogerador Senvion de 6.2 MW foi lançado tanto para o setor onshore como offshore.

9. GE Haliade 6MW

No final de 2016, a turbina offshore GE Haliade de 6 MW, projetada pela empresa francesa Alstom, começou a gerar eletricidade no seu primeiro projeto comercial, (o desenvolvimento da ilha Block nos EUA). Foi o primeiro parque eólico offshore da América.

Este modelo já obteve o recorde das pás com maior comprimento (73,5 metros), desenvolvidas em parceria com a LM Wind Power, até à chegada da Siemens, que fabricou pás com 75 metros de comprimento. Atualmente esse record pertence à Adwen AD-180, com 88,4 metros.

Esta turbina tem lâminas de 73,5 metros e um diâmetro de rotor situado nos 150.8 metros.

10. Sinovel SL6000

O modelo SL6000 do fabricante chinês Sinovel, que iniciou a sua produção com uma máquina de 5 MW, em 2011 aumentou a potência da turbina para 6 MW e um diâmetro de rotor com 128 metros. Atualmente a empresa aumentou também o diâmetro de rotor para 155 metros.

Este modelo já foi testado com uma temperatura de 45 ºC e uma velocidade de vento até 62,5 metros/segundo.

O fabricante Sinovel afirma que se encontra na fase final de desenho e projeto de um aerogerador com uma potência de 10 MW.


A NOCTULA – Consultores em Ambiente no setor das Energias Renováveis 

Consulte os serviços que a NOCTULA presta na área das Energias Renováveis: clique aqui. Caso necessite de algum tipo de serviço nesta área, não hesite em contactar-nos.

energias renováveis, energia eólica, energia solar

Conheça alguns dos projetos desenvolvidos pela NOCTULA:

A NOCTULA – Consultores em Ambiente já realizou vários trabalhos relacionados com energia eólica, nomeadamente:

No âmbito de sobreequipamento de parques eólicos, tendo sido responsável pelo Pedido de Enquadramento do Sobreequipamento do parque eólico do Sobrado e pela elaboração de todos os elementos do respetivo Anexo Técnico e Anexo Cartográfico;

Realizou o Estudo de Viabilidade Ambiental de 2 parques eólicos a instalar no centro de Portugal;

Foi responsável pela Monitorização de Sistemas Ecológicos (Fauna e Flora) no Parque Eólico de São Macário II;

– Foi responsável pelo Estudo de Incidências Ambientais – Repowering do Parque Eólico Picos Verdes I

– É responsável pelo Estudo de Impacte Ambiental – repowering e sobreequipamento do Parque Eólico de Picos Verdes II

–  Entre outros projetos foi ainda responsável pela Prospeção de mortalidade de aves e quirópteros – Parque eólico da Lameira, no âmbito do projeto de extensão de pás dos aerogeradores.

Fonte: Wind Power Monthlywindturbiner

Related Posts