fbpx

A base de dados de Espécies Invasoras mais completa do mundo

O “Registo Global de Espécies Introduzidas e Invasoras (GRIIS em inglês) é a base de dados mais completa do mundo, está online desde 2016 e pode ser consultada por todos os interessados.

Nesta base de dados encontram-se listas com espécies exóticas (que foram transportadas do seu habitat natural para outros locais) e invasoras (que vêm de outro local, reproduzem-se muito rapidamente e têm um impacto negativo no ambiente e na economia).

A base de dados dispõe de listas de quase 200 países e contêm informações como:

  • a taxonomia,
  • o habitat,
  • a origem,
  • o impacto,
  • as atualizações,
  • as fontes de informação.

 

A elaboração desta base de dados ficou ao encargo de investigadores de cada um dos 200 países. Em Portugal, Elizabete Marchante e Hélia Marchante, biólogas do Centro de Ecologia Funcional da Universidade de Coimbra e da Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Coimbra, respetivamente, editaram a lista das plantas de Portugal, e Maria Paiva, da Universidade Nova de Lisboa, a lista dos insetos.

Elizabete Marchante e Hélia Marchante integram ainda o portal Invasoras.pt. O objetivo deste portal é alertar para o problema das invasões biológicas, dar a conhecer as plantas invasoras a nível nacional e estimular a participação ativa do público, quer no mapeamento destas espécies quer em atividades de controlo e divulgação.

Em declarações ao jornal Público, Elizabete Marchante, afirmou que “esta é uma base de dados bastante completa, no que diz respeito às espécies exóticas e exóticas invasoras a nível mundial, pelo que serve de referência quando se procura informação sobre a espécie x ou y. É também uma ferramenta importante em termos de gestão de espécies invasoras. Por exemplo, quando se pretende introduzir uma espécie num novo território, é essencial assegurar que não tem um comportamento invasor de forma a evitar problemas no futuro.”

A vespa-asiática é das espécies invasoras mais recentes em Portugal

Há muitas bases de dados disponíveis, mas a maioria são nacionais ou regionais, e de um grupo taxonómico específico, pelo que não se encontra informação reunida num só local, com a exceção do Compêndio de Espécies Invasoras (CABI).

Esta é a primeira e abrangente base de dados neste âmbito. Um artigo científico na revista Scientific Data, destaca informação relativa a 20 países, onde se contabilizaram 6414 espécies e 11.320 registos.

O artigo refere que “o transporte e o comércio transacional são os principais fatores, na introduções de novas espécies. Das mais de seis mil espécies dos 20 países, 25% tiveram um impacto negativo na biodiversidade e nos ecossistemas.”

Em Portugal, há várias espécies invasoras que se podem destacar no GRIIS como por exemplo:

– A Acacia dealbata ou a Acacia saligna,

– A háquea-picante (Hakea sericea),

– A erva-das-Pampas (Cortaderia selloana),

– O jacinto-de-água (Eichhornia crassipes),

– A vespa-asiática.

Qual é a principal preocupação?

Helena Freitas, bióloga da Universidade de Coimbra, afirma que “estas espécies representam uma ameaça para as espécies autóctones, ocupando o seu habitat”.

Qual a solução?

Uma das soluções adotadas pelos países para facilitar a gestão das invasões biológicas é produzir e manter listas nacionais de espécies invasoras e invasivas.

Em Portugal, a última lista nacional legal é a de um decreto-lei de 1999. Atualmente aguarda-se uma atualização ou revisão. Na altura Portugal foi dos países pioneiros à escala mundial com esta lista. O regulamento europeu de 2014 integra uma lista mais atualizada das espécies invasoras de Portugal.

Fontes: PúblicoGRIIS, Nature

A NOCTULA – Consultores em Ambiente elabora e implementa planos de gestão para espécies específicas de fauna e flora e medidas de minimização e compensatórias de impactes sobre as mesmas.

Fomos responsáveis pela Inventariação e Cartografia de Manchas de Espécies Exóticas Invasoras, na área do Aproveitamento Hidroelétrico do Mel.

Plano de Monitorização dirigido à espécie Murbeckiella sousae na área dos parques eólicos de Seixinhos e Penedo Ruivo (Serra do Marão) foi outro dos trabalhos realizados pela NOCTULA.

Caso necessite de algum serviço nesta área não hesite em contactar-nos: 232 436 000 ou através do email: info@noctula.pt.

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.