Descoberta nova planta endémica em Portugal

Ambiente, Biodiversidade, Blog, Ecossistemas, Espécies, FloraComentários fechados em Descoberta nova planta endémica em Portugal315

A Universidade de Évora divulgou recentemente a descoberta de uma nova espécie de planta endémica em Portugal, designada – Helosciadium Milfontinum.

Carla Pinto Cruz, investigadora do MED (Instituto Mediterrâneo para Agricultura, Ambiente e Desenvolvimento) da Universidade de Évora, explica que esta nova espécie para a flora de Portugal, “trata-se de uma planta rara e fortemente ameaçada”, que cresce em charcos temporários e se encontra restringida a nível mundial a pequenas áreas da Costa Vicentina.

Existem regras internacionais para atribuir o nome a cada planta (nomenclatura), inscritos no Código Internacional de Nomenclatura Botânica (ICBN), que é usado até aos dias de hoje. Após a descoberta ou clarificação de uma determinada espécie, cada planta é designada por uma combinação exclusiva de duas palavras em latim, referindo-se a primeira ao género e a segunda ao epíteto específico. Assim, o nome da nova espécie “Milfontinum é alusivo à área de ocorrência da planta, ou seja, Vila Nova de Milfontes.

 Helosciadium Milfontinum

A nova planta foi descoberta graças a um estudo conjunto entre a Universidade de Évora e botânicos da Universidade de Oviedo, em Espanha. A realização do estudo correspondeu a uma iniciativa do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), em parceria com o Fundo Ambiental através do projeto “Recuperação de Valores Naturais – Habitats e Espécies de Zonas Húmidas Temporárias”, que tem como objetivo:

  1. a contribuição para a conservação de valores e recursos naturais;
  2. a promoção e manutenção da biodiversidade;
  3. o restauro de habitats;
  4. a valorização do território, com base nos sistemas e espécies autóctones.

Estudo

Mediante um estudo taxonómico, a equipa mostrou que as características morfológicas e genéticas distingue esta nova espécie de uma outra que já se encontrava previamente classificada – a “Apium repens”, cuja área de distribuição é mais abrangente no território europeu, ao contrário da Helosciadium milfontinum, que se encontra-se restringida mundialmente a pequenas áreas da Costa Vicentina.

A investigadora Carla Pinto Cruz, explica que a nova espécie “faz lembrar um pequeno guarda-chuva, semelhante às flores do agrião. Floresce entre julho e agosto e frutifica no início de setembro”. A investigadora acrescenta dizendo que a planta tem “caules rastejantes que enraízam em nós e as folhas são lobadas e têm as margens dentadas”.

Desde o início do século que os cientistas recorrem a dados moleculares para melhorar a classificação das plantas e a identificação das espécies, tendo sido, precisamente, “através da identificação de pequenas sequências de DNA, próprias de cada espécie”, que foi possível descobrir e clarificar a nova espécie”.

Estado de conservação

A investigadora Carla Pinto Cruz, explica que a identificação precisa de cada espécie é essencial para se planear adequadamente os esforços de conservação.

No que respeita à nova espécie, percebeu-se que a planta está bastante isolada geneticamente e por isso, é necessário uma maior consciência do seu verdadeiro estatuto de conservação e da sua importância e grau de ameaça.

O levantamento feito nos charcos temporários da região alentejana permitiu constatar que as ameaças à sua conservação são cada vez mais fortes. São “um habitat único que alberga uma grande diversidade de organismos e onde a diversidade biológica vai sendo perdida à medida que cada espécie se extingue”, defende Carla Pinto Cruz.

Esta planta já foi alvo de alguns esforços de conservação, mas “só tendo um bom conhecimento das espécies é que podemos perspetivar e priorizar adequadamente os esforços de conservação”, finaliza a investigadora.


NOCTULA – Consultores em Ambiente realiza várias monitorizações ambientais, nomeadamente monitorização de sistemas ecológicos.

Monitorização de Flora, Vegetação e Habitats:

  1. Identificação da presença de espécies RELAPE;
  2. Acompanhamento da recuperação do coberto vegetal em áreas intervencionadas;
  3. Levantamentos e catálogos florísticos.

A nossa equipa já coordenou vários trabalhos neste âmbito, nomeadamente:

1) Monitorização de Flora e Habitats na Subconcessão rodoviária do Pinhal Interior,

2) Plano de Monitorização dirigido à espécie Murbeckiella sousae, espécie endémica de Portugal continental, representada na fotografia em baixo.

3) Inventariação e cartografia de manchas de Espécies Exóticas Invasoras;

4) Monitorização de Flora RELAPE – Parque Eólico e Linha de Transporte de Energia;

5) Monitorização de Flora e Vegetação – Parque Eólico do Guardão.


Fontes: Público, Ambiente Magazine

Related Posts