Publicado em DR o diploma que estabelece o mecanismo de emissão de garantias de origem para o Hidrogénio

Alterações climáticas, Ambiente, Blog, Eficiência Energética, Energia, Energias Renováveis, sustentabilidadeComentários fechados em Publicado em DR o diploma que estabelece o mecanismo de emissão de garantias de origem para o Hidrogénio483

O diploma que estabelece o “mecanismo de emissão de garantias de origem para gases de baixo teor de carbono e para gases de origem renovável”, foi publicado em Diário da República, através do Decreto-Lei n.º 60/2020, de 17 de Agosto.

O novo mecanismo já entrou em vigor e tem como objetivo atualizar as metas de energia renovável e, deste modo, cobrir também os desenvolvimentos previstos na Estratégia Nacional para o Hidrogénio (EN-H2).

O governo português comprometeu-se a atingir a neutralidade carbónica até 2050, traçando uma visão clara relativamente à necessidade de uma descarbonização profunda da economia nacional, sustentada nos recursos endógenos renováveis e na sua utilização eficiente.

Os gases de origem renovável e os gases de baixo teor de carbono apresentam elevado potencial para a descarbonização de setores da economia, pois podem substituir os combustíveis fósseis na indústria, no transporte rodoviário, no transporte ferroviário, no transporte fluvial e marítimo, e apresentam ainda um grande potencial enquanto combustível eficiente para produção de calor/frio e de eletricidade.

É neste contexto que o Governo procede à adaptação do sistema de emissão de garantias de origem da eletricidade proveniente de fontes renováveis, constante do Decreto-Lei n.º 141/2010, com vista à inclusão dos gases de baixo teor de carbono e dos gases de origem renovável.

Esta inclusão tem o objetivo de comprovar ao consumidor final, através da emissão de certificados eletrónicos, a quota ou quantidade de energia proveniente de fontes renováveis presente no cabaz energético de um determinado fornecedor.

Principais pontos do Decreto-Lei n.º 60/2020

a) Estabelece o mecanismo de emissão de garantias de origem para energia de aquecimento ou arrefecimento a partir de fontes de energia renováveis;

b) Estabelece o mecanismo de emissão de garantias de origem para gases de baixo teor de carbono e para gases de origem renovável;

Gases de baixo teor de carbono são combustíveis gasosos produzidos a partir de um processo que utilize energia de fontes de origem não renovável, cujas emissões de carbono sejam inferiores a 36,4 gCO (índice 2)-eq/MJ.

Gases de origem renovável são combustíveis gasosos produzidos de processos que utilizem energia de fontes de origem renovável na aceção da Diretiva (UE) 2018/2001, do Parlamento Europeu e do Conselho.

c) EEGO é a entidade responsável pela emissão das garantias de origem;

d) A meta de utilização de energia proveniente de fontes renováveis no consumo final bruto de energia é fixada nas seguintes percentagens:

  1. Para o ano 2020 – 31 %;
  2. Para o ano 2022 – 34 %;
  3. Para o ano 2025 – 38 %;
  4. Para o ano 2027 – 41 %;
  5. Para o ano 2030 – 47 %.

e) A utilização de energia proveniente de fontes renováveis no consumo energético em todos os modos de transporte é fixada nas seguintes percentagens:

  1. Para o ano 2020 – 10 %
  2. Para o ano 2030 – 20 %.

f) Para o ano de 2030, é fixada uma meta mínima de 3,5 pontos percentuais em teor energético da quota de energia proveniente de fontes renováveis nos transportes;

g) Os produtores devem solicitar à EEGO a emissão de garantias de origem referentes aos gases por si produzidos, nos termos do decreto-lei n.º 60/2020.

As garantias de origem devem especificar:

  1. A matéria-prima utilizada para a produção dos gases;
  2. O processo ou tecnologia utilizados na produção dos gases;
  3. As emissões de CO associadas à produção dos gases;
  4. As emissões evitadas de CO por quilograma produzido de gases;
  5. Informações complementares.

h) A fiscalização do cumprimento das disposições constantes no decreto-lei n.º 60/2020 é da competência da ENSE- Entidade Nacional para o Setor Energético.

i) Constitui contraordenação punível com coima de 500€ a 3740€, no caso de pessoas singulares, e de 2500€ a 44 891, no caso de pessoas coletivas:

O incumprimento da obrigação de solicitar a emissão de garantias de origem referentes à energia produzida a partir de fontes de energia renováveis;

O incumprimento da proibição de transação de garantias de origem;

O incumprimento da obrigação de solicitar a emissão de garantias de origem referentes à produção de gases de baixo teor de carbono;

O incumprimento da obrigação de solicitar a emissão de garantias de origem referentes à produção de gases de origem renovável;

O incumprimento da obrigação de facultar à EEGO, designadamente, todas as informações necessárias para a garantia da fiabilidade do sistema de emissão das garantias de origem, assim como do acesso às suas instalações.

j) os produtores de gases de baixo teor de carbono e de gases de origem renovável devem instalar sistemas de monitorização e controlo das características e propriedades dos gases que permitam e assegurem a certificação da origem da energia produzida, nos termos previstos na legislação e regulamentação aplicável.

k) A garantia de origem tem a validade de 12 meses a contar do fim do período de produção da unidade de energia a que respeita, devendo ser cancelada no prazo máximo de seis meses, findo o período de validade.

Pode consultar todos os parâmetros deste diploma, AQUI.


A NOCTULA – Consultores em Ambiente no setor das Energias Renováveis 

Consulte os serviços que a NOCTULA presta na área das Energias Renováveis: clique aqui.

energias renováveis, energia eólica, energia solar


Fonte: DRE

Related Posts