fbpx

Revisão do livro vermelho dos peixes de água doce e migradores de Portugal Continental

Vários investigadores e técnicos apresentaram recentemente o projeto de revisão do Livro Vermelho e o desenvolvimento de um Sistema Nacional de Informação dos Peixes Dulciaquícolas e Diádromos de Portugal Continental.

Equipas de especialistas de várias Universidades vão trabalhar neste projeto que estará estruturado em três pontos cruciais de análise:

  • Determinar qual a distribuição e a abundância das espécies (a cargo dos investigadores da Universidade de Évora, Unidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e Instituto Politécnico de Bragança);
  • Clarificar a identidade taxonómica das espécies (a cargo do Instituto Superior de Psicologia Aplicada, ISPA);
  • Avaliar o risco de extinção de cada espécie. 

Para análise deste pontos serão efetuados trabalhos de campo com dezenas de pontos de amostragem por todo o país e análises genéticas.

O Livro Vermelho terá fichas para cada espécie, incluindo as categorias de:

  1. ameaça;
  2. distribuição;
  3. ecologia;
  4. tendências populacionais;
  5. fatores de ameaça;
  6. medidas de conservação.

Há 15 anos que Portugal não procedia a uma atualização sobre o risco de extinção destas espécies.

Na última atualização, em 2005, Portugal tinha 8 Espécies Criticamente em Perigo de Extinção:

  1. lampreia-de-rio
  2. saramugo
  3. boga-do-sudoeste
  4. boga-portuguesa
  5. escalo-do-Arade
  6. escalo-do-Mira
  7. salmão-do-Atlântico
  8. truta-marisca

Vítimas de várias décadas de perda de habitat e usos insustentáveis dos sistemas aquáticos, os peixes de rio (dulciaquícolas) e migradores (diádromos  – peixes que utilizam ambos os ecossistemas ‘água doce e água salgada’ ao longo do seu ciclo de vida), enfrentam uma situação preocupante.

Filomena Magalhães, coordenadora geral do projeto e investigadora do cE3c – Centro para a Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais da FCUL, afirmou que “passados 15 anos, a informação está desatualizada (…). Novas espécies foram entretanto descritas e os rios mudaram, umas vezes para melhor, graças aos esforços de conservação de projetos como o LIFE Saramugo e o LIFE Águeda e outras para pior”.

Leia o nosso artigo sobre o projeto LIFE Saramugo.

No que diz respeito à criação de um Sistema Nacional de Informação dos Peixes Dulciaquícolas e Diádromos de Portugal Continental, João Oliveira, coordenador executivo do projeto, explica que “este sistema terá uma ferramenta, que através de um “retrato robot”, pode identificar os peixes”.

O técnico afirma ainda que este sistema pretende ser uma plataforma interativa que reúne toda a informação sobre estas espécies”. (…) Será de “acesso livre para todos, desde os pescadores e investigadores ao público em geral”.

Os responsáveis acreditam que a informação conseguida sobre as espécies de peixes de água doce e migradoras mais ameaçadas em Portugal Continental “venha contribuir para um comportamento mais informado e responsável de todos, em atividades como o planeamento e gestão do território e a pesca. Só desta forma será possível travar a perda de biodiversidade”.

Célia Ramos, secretária de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza, afirmou durante a sessão da apresentação do projeto que “conhecer as espécies permite gerir os habitats”.

 

Saramugo – Fonte: LIFE Saramugo – Fotografia de Carlos Carrapato

Promovido pela FCiências.ID – Associação para a Investigação e Desenvolvimento de Ciências, o projeto conta com a colaboração de especialistas de várias instituições e é feito em parceria com o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

Juntamente com a revisão do livro vermelho dos peixes de água doce, em 2021 serão ainda apresentados os livros vermelhos sobre aves e invertebrados. Para 2022 está ainda prevista a apresentação do livro vermelho dos mamíferos e o dos répteis e anfíbios.

Fonte: WilderAmbiente Magazine

A NOCTULA – Consultores em Ambiente presta serviços de Monitorização de Sistemas Ecológicos, nomeadamente:

  • Monitorização de Aves
  • Mamíferos terrestres, marinhos e voadores
  • Fito e Zooplâncton
  • Invertebrados, Herpetofauna (anfíbios e répteis)
  • Monitorização de Flora, Vegetação e Habitats.

 

Conheça alguns dos trabalhos coordenados pela NOCTULA:

 

Caso necessite de algum serviço na área da Monitorização de Sistemas Ecológicos não hesite em contactar-nos através do número 232 436 000.

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.