fbpx

13 Parques Naturais para descobrir em Portugal

Espalhados pelo nosso país, encontram-se lugares de beleza preservada, povoados por uma grande variedade de espécies de fauna e flora.

Protegidas para manterem a sua biodiversidade, muitas destas áreas estão classificadas como Parques Naturais e Reservas da Biosfera. No blog da NOCTULA já lhe mostramos as 12 Reservas da Biosfera que pode encontrar no nosso país, mas neste artigo vamos mostrar-lhe 13 locais, categorizados pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), ricos em espaços de valor ambiental, cuja relevância lhes valeu o título de Parque Natural. Descubra qual o seu favorito.

O Dia Europeu dos Parques Naturais comemora-se todos os anos a 24 de Maio.

Este dia foi proclamado em 1999 pela EUROPARC (Federação da Natureza e Parques Nacionais da Europa) e celebra as Áreas Protegidas em toda a Europa, assim como a criação dos primeiros Parques Nacionais da Europa, na Suécia, em 1909.

Parque Natural do Alvão

O Parque Natural do Alvão tem cerca de 7.238,3 ha e é uma zona essencialmente granítica.

Neste parque destaca-se o rio Olo, associado à famosa queda de água das Fisgas do Ermelo, uma das maiores cascatas de Portugal.

Aqui podemos encontrar várias plantas raras, como é o caso da orvalhinha ou rorela (Drosera rotundifolia), espécie carnívora que cresce em terrenos encharcados e margens dos cursos de água.

Já no que diz respeito à fauna, destaque para a presença do Lobo-Ibérico (Canis lupus). De mencionar ainda a borboleta-azul-das-turfeiras (Phengaris alcon) que habita em turfeiras e lameiros húmidos onde exista a planta genciana-dos-pauis (Gentiana pneumonanthe) e formigas do género Myrmica. Esta espécie depende de ambas para completar o seu ciclo de vida.

Fonte: Flickr

Parque Natural da Arrábida 

O Parque Natural da Arrábida abrange 5.310,62 ha de área marinha e 12.330,54 ha terrestre e é um dos maiores tesouros naturais a sul do Rio Tejo.

A cobertura vegetal caracteriza-se pela presença de associações florísticas mediterrânicas, com destaque para os maquis, constituídos predominantemente por arbustos que formam uma vegetação densa e fechada. Entre as espécies vegetais destacam-se o medronheiro, loureiro, urze, piteira e alguns cactos, e a garrigue uma formação vegetal constituída por arbustos de pequeno porte e relativamente espaçados entre si. Nesse tipo de vegetação há predomínio de plantas como o alecrim, a lavanda, rosmaninho e a alfazema.

O Parque Natural da Arrábida abrange ainda o Parque Marinho Professor Luiz Saldanha, um área marinha com elevadíssima biodiversidade, conhecendo-se cerca de 1350 espécies da fauna e flora marinhas. Este parque está incluído na lista nacional de sítios da Rede Natura 2000 – sítio Arrábida-Espichel.

Fonte: Flickr

Parque Natural do Douro Internacional

Parque Natural do Douro Internacional com 86.834,82 ha abrange uma extensa superfície adjacente ao rio, sendo a vegetação dominada pela azinheira (Quercus rotundifolia, localmente conhecida por carrasco). Destaca-se ainda a presença de bosques de zimbro (Juniperus oxycedrus), sobreirais (Quercus suber) e manchas de carvalho-negral (Quercus pyrenaica).

O Parque Natural do Douro Internacional é uma área fundamental para a conservação da avifauna. As aves são o grupo de fauna com maior representatividade nesta área, quer pela elevada diversidade, quer pela ocorrência de várias espécies ameaçadas, que guardam aqui uma importante parcela das suas populações nidificantes a nível Nacional e Ibérico. Destaque para as aves rupícolas (aves que vivem/nidificam em zonas rochosas), nomeadamente aves de grande porte como o abutre-do-egipto (Neophron percnopterus) e a águia-de-bonelli (Aquila fasciata).

Fonte: Flickr

Parque Natural do Litoral Norte 

Com 1.316,47 ha de área terrestre e 7.445,34 ha de área marinha e/ou estuarina), o Parque Natural do Litoral Norte estende-se ao longo de 16 km de costa, desde o estuário do rio Neiva até à zona da Apúlia. Este Parque Natural possui o cordão de dunas atlânticas mais extenso e melhor conservado do norte de Portugal.

Os estuários do Cávado e do Neiva albergam alguns dos habitats mais significativos do parque.

Manchas de pinhal, campos agrícolas e alguns pequenos bosques, contribuem para a diversidade florística e faunísticas estando inventariadas cerca de 240 espécies de plantas. No que diz respeito à fauna, neste parque podem ser observadas cerca de 140 espécies de aves só na área terrestre. A zona estuarina é uma importante área para alimentação e descanso durante as migrações. Quanto aos mamíferos, estima-se pelo menos 19 espécies.

Fonte: Flickr

Parque Natural de Montesinho

O Parque Natural de Montesinho é um dos maiores parques naturais do país e situa-se na Região de Trás-os-Montes (Nordeste Transmontano). Tem cerca de 74.224,89 ha.

Este parque possui uma variada diversidade de espécies de avifauna (mais de 120 espécies de aves nidificantes) e cerca de 70% das espécies terrestres que ocorrem em Portugal, com destaque para uma das mais importantes populações de Lobo-Ibérico (Canis lupus).

Investigadores da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP) anunciaram recentemente que estão a desenvolver pela primeira vez um Mapa geral de Extinção das Espécies do Parque Natural de Montesinho. Através do recente projeto MontObEO, os investigadores vão utilizar metodologias inovadoras para avaliar o risco de extinção da flora e fauna.

Fonte: Flickr

Parque Natural da Ria Formosa

O Parque Natural da Ria Formosa é um dos locais mais fascinantes do Algarve e estende-se por 60 km no litoral. Este Parque Natural é o local privilegiado para fazer birdwatching, em especial se pretende vislumbrar a galinha-sultana (Porphyrio porphyrio), uma das aves mais cobiçadas pelos observadores de aves e que já esteve em perigo de desaparecer de Portugal.

Muitas espécies de aves aquáticas migratórias do norte da Europa passam o inverno nesta zona ou usam a ria como escala rumo a sul. Destaque para o camão ou galinha-sultana (Porphyrio porphyrio), símbolo do parque, para a colónia de garça-branca-pequena (Egretta garzetta) e as populações de cegonha-branca (Ciconia ciconia). A andorinha-do-mar-anã (Sternula albifrons), em declínio na Europa, nidifica nas dunas e salinas.

A Ria Formosa é também uma das mais importantes Zonas Húmidas do sul de Portugal.

Fonte: Flickr

Parque Natural da Serra da Estrela

O Parque Natural da Serra da Estrela é a maior área protegida portuguesa. A fauna deste parque inclui um grande número de mamíferos e de aves, salientando-se, pela sua importância e diversidade, os pequenos répteis e anfíbios, com espécies endémicas como a lagartixa-de-montanha (Iberolacerta monticola).

Este parque natural foi elevado a Geopark mundial em 2020. Um reconhecimento dado pela UNESCO – Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.

Saiba mais através do no artigo: Portugal tem um novo Geopark Mundial reconhecido pela UNESCO.

Fonte: Flickr

Parque Natural da Serra de São Mamede

O Parque Natural da Serra de São Mamede é uma área protegida portuguesa, situada na Serra de São Mamede, na região fronteiriça do nordeste Alentejano.

Para descobrir esta área protegida, o parque propõe 5 percursos pedestres, através dos quais poderá apreciar a vegetação variada e observar aves de rapina raras como o grifo (Gyps fulvus), o Milhafre (Milvus migrans)Águia-cobreira (Circaetus gallicus), a Águia-de-bonelli (Aquila fasciata), símbolo do parque e ainda o Abutre-preto (Aegypius monachus).

Se tiver sorte também poderá  avistar javalis (Sus scrofa) e veados (Cervus elaphus), que estão de regresso à Serra de São Mamede, na sequência do esforço que tem sido feito para repor os seus habitats.

Fonte: Flickr

Parque Natural das Serras de Aires e Candeeiros

O Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros, com 38.392,91 ha, é uma área protegida que abrange os municípios de Alcobaça e Porto de Mós (no distrito de Leiria) e Alcanena, Rio Maior, Santarém, Torres Novas e Ourém (no distrito de Santarém).

A morfologia cársica, a natureza do coberto vegetal (com cerca de 600 espécies, onde se incluem orquídeas selvagens e espécies endémicas de Portugal), a rede de cursos de água subterrâneos, uma fauna específica, nomeadamente cavernícola (com importantes colónias de morcegos, símbolo do parque), e intensa atividade no domínio da extração da pedra são os principais motivos que levaram à criação do parque natural.

Na fauna, são conhecidas mais de 100 espécies de aves nidificantes. Algumas espécies têm extrema importância nacional, como é o caso do bufo-real (Bubo bubo) e a gralha-de-bico-vermelho (Pyrrhocorax pyrrhocorax) que nidifica em cavidades.

Fonte: Flickr

Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina

O Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina localiza-se no litoral sudoeste de Portugal.

Este parque é uma área de passagem para aves planadoras e para os passeriformes migradores transarianos, nas suas deslocações entre as zonas de invernada em África e de nidificação na Europa. É a última área de cria da águia-pesqueira (Pandion haliaetus) na Península Ibérica. A nidificação em falésias e arribas marítimas é uma característica da área do parque, com destaque para a cegonha-branca (Ciconia ciconia), o falcão-peregrino (Falco peregrinus) e a gralha-de-bico-vermelho (Pyrrhocorax pyrrhocorax). É único local do mundo em que as cegonhas nidificam nos rochedos marítimos.

Os mamíferos presentes na área do parque incluem, entre outros:

 

As grutas, como a do Monte Clérigo e a gruta Amarela, são refúgios para importantes comunidades de morcegos (Chiroptera).

Fonte: Flickr

Parque Natural Sintra-Cascais

O Parque Natural Sintra-Cascais estende-se desde a foz do rio Falcão, limite norte do concelho de Sintra, até à zona da Guia, em Cascais.

Neste parque  encontra-se uma floresta primitiva com quase todas as espécies de Quercus, entre elas o carvalho-roble e o carvalho-negral.

Em termos de fauna, no Parque Natural Sintra-Cascais é possível encontrar aves de rapina como o falcão-peregrino (Falco peregrinus), a coruja-das-torres (Tyto alba), o gavião (Accipiter nisus), o açor (Accipiter gentilis) e a águia-de-bonelli (Aquila fasciata). Encontram-se também aves marítimas como gaivotas e pardelas.

Esta área protegida foi também reconhecida pela UNESCO ao integrar parte da serra e centro histórico de Sintra na Lista do Património Mundial com a categoria de “paisagem cultural”.

Fonte: Flickr

Parque Natural do Tejo Internacional

O Parque Natural do Tejo Internacional, com 26.490,43 ha, é uma área extremamente importante para a conservação de diversas espécies de aves que nidificantes.

Destacam-se, como espécies mais importantes, a águia-imperial (Aquila adalberti), a águia-real (Aquila chrysaetos), a águia-de-bonelli (Aquila fasciata), o abutre-preto (Aegypius monachus), o abutre-do-egipto (Neophron percnopterus), a cegonha-preta (Ciconia nigra – símbolo do parque), o chasco-preto  (Oenanthe leucura) e o milhafre-real (Milvus milvus).

Nos cursos de água ocorrem populações de diversas espécies de peixes ameaçados e endémicos da Península Ibérica.

Fonte: Flickr

Parque Natural do Vale do Guadiana

O Parque Natural do Vale do Guadiana é uma área protegida, com uma área de 69700 hectares, localizada no sudeste do território português, na região do Baixo Alentejo.

A bacia hidrográfica do Guadiana é a mais importante em Portugal para a conservação de peixes de águas interiores, com 16 espécies de peixes dulçaquícolas autóctones e migradores, sendo 10 endemismos ibéricos e destes, em Portugal, 4 existem apenas nesta bacia, como é o caso do saramugo(Anaecypris hispanica), da boga-do-guadiana (Pseudochondrostoma willkommii), do barbo-de-cabeça-pequena (Luciobarbus microcephalus) e do caboz-de-água-doce (Salaria fluviatilis).

Na zona norte do Parque situa-se um dos seus principais atrativos, o Pulo do Lobo, local de grande interesse geológico onde as águas do Guadiana caem cerca de 20 metros altura através de uma garganta rochosa.

NOCTULA – Consultores em Ambiente presta serviços de Monitorização de Sistemas Ecológicosnomeadamente: Monitorização de Aves, Mamíferos terrestres, marinhos e voadores, Fito e Zooplâncton, Invertebrados, Herpetofauna (anfíbios e répteis) e Monitorização de Flora, Vegetação e Habitats.

Conheça aqui alguns dos trabalhos realizados pela NOCTULA nesta área:

 

Caso necessite de algum serviço na área da Monitorização de Sistemas Ecológicos não hesite em contactar-nos através do número 232 436 000.

… o que interessa deve ser partilhado!

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade para mais informações.